Sociedade

Homem que matou colega de trabalho na Lourinhã condenado a 16 anos de prisão

A relação entre ambos nunca terá sido pacífica. 

O Tribunal de Loures condenou, esta quinta-feira, um homem a 16 anos de prisão, depois de ter dado como provado que este tinha matado um colega de trabalho.

O homicídio aconteceu em julho de 2018 quando o agressor, de 31 anos, apunhalou a vítima, na praia de Paimogo, na Lourinhã. A relação entre os dois instrutores de surf, que já se conheciam há oito anos, nunca terá sido a melhor, tendo havido, segundo a acusação do Ministério Público a que a agência Lusa teve acesso, agressões anteriores.

Os dois combinaram, por telemóvel, encontrar-se ao final da tarde do dia 10 de julho. Quando a vítima chegou, acompanhado por um amigo, o agressor dirigiu-se-se ao outro veículo, tendo ambos iniciado uma discussão, fora das viaturas, que terminou com um a esfaquear o outro no peito com uma faca. Inicialmente o agressor fugiu, mas depois de ter caído, acabou por ser ele a levar a vítima às urgências do Centro Hospitalar do Oeste, que, no entanto, não resisitu aos ferimentos e morreu.

A faca usada no esfaqueamento foi recuperada pela GNR, entretanto alertada para a situação pelo amigo que tinha acompanhado a vítima até ao local do crime.

Nas alegações finais, o MP pediu uma pena de 17 anos, enquanto o advogado que representava a família, assistente no processo, pediu mais três anos. Já a defesa referiu-se a uma pena inferior a 16 anos, defendendo que não houve premeditação do crime e que, por isso, deveria ser considerado homicídio simples e não qualificado.

Segundo a agência Lusa conseguiu apurar junto de uma fonte oficial, o homem terá ainda que pagar uma indemnização de 200 mil euros.