Economia

Isabel dos Santos constituída arguida em Angola

Empresária angolana tem sido notícia nos últimos dias depois de ser conhecido o caso Luanda Leaks.

Isabel dos Santos foi constituída arguida por alegada má gestão e desvio de fundos durante a passagem pela petrolífera estatal angolana Sonangol, anunciou a Procuradoria-Geral da República de Angola, esta quarta-feira.

Heldér Pitta Grós anunciou que a empresária, filha de José Eduardo dos Santos, foi constituída arguida numa conferência de imprensa em Luanda. Segundo o PGR angolano, o processo de inquérito aberto na sequência de uma denúncia do presidente do conselho de administração da petrolífera, Carlos Saturnino, foi transformado em processo-crime e algumas pessoas foram constituídas arguidas: Isabel dos Santos; Sarju Raikundalia, ex-administrador financeiro da Sonangol: Mário Leite da Silva, gestor de Isabel dos Santos e presidente do Conselho de Administração do BFA; Paula Oliveira, amiga de Isabel dos Santos e administradora da NOS e Nuno Ribeiro da Cunha.

"Neste momento, a preocupação é notificar e fazer com que venham voluntariamente à justiça", disse, lembrando que todos os arguidos se encontram fora de Angola.

Recorde-se que a empresária angolana tem sido notícia nos últimos dias depois de ser conhecido o caso Luanda Leaks, uma investigação do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação, onde foram analisados 715 mil documentos que mostram esquemas financeiros feitos, alegadamente, por parte de Isabel dos Santos.

A investigação detalha esquemas financeiros que terão permitido retirar dinheiro dos cofres do Estado angolano, por meio de paraísos fiscais. No final do ano passado, Isabel dos Santos já tinha sido acusada pela justiça angolana de celebrar negócios com o Estado através de empresas públicas.

Esta quarta-feira, a SIC Notícias, que cita fonte oficial angolana, avançou que Hélder Pitta Grós está a caminho de Lisboa para se encontrar com a sua homóloga portuguesa, Lucília Gago, esta quinta-feira.