Internacional

Casal usa fezes de elefantes para produzir novo gin

Cada garrafa incluí as coordenações de GPS de onde foram extraídas as fezes e a data de extração. 

Depois de uma viagem à Africa do Sul, um casal decidiu criar um novo gin e para isso decidiu fazer uma combinação considerada, no mínimo, estranha.

Paula e Les Ansley, professores de biologia, estiveram de férias na Reserva Natural Botlierskop, em 2018, onde aprenderam vários fatores sobre o processo digestivo dos elefantes. Ao descobrirem que estes apenas absorviam metade da comida ingerida, o casal conclui que grande parte das plantas acaba por estar presentes no estrume destes animais.

Foi então que surgiu a ideia de criar uma bebida nova e começaram a dar-se os primeiros passos na construção do Indlovu Gin. “Nós contactámos a Botlierskop e perguntámos: 'Acham que nos poderiam fornecer algumas fezes dos elefantes?' Eles disseram: 'Sim, claro, sem problemas'. Mandaram-nos fezes e nós começamos a tentar perceber como é que se preparava", contou Les Ansley, em entrevista à CNN. 

Segundo o casal, as fezes são lavadas e secas, por duas vezes, para que seja totalmente seguro utilizá-las no fabrico da bebida.  O produto final é então infundido no gin. 

No que toca ao sabor da bebida, o casal afirma que tudo depende de que zona foram retiradas as plantas. “Tem um sabor a terra, tipo relvado", explicou o casal, acrescentando que “depende de onde coletamos os ingredientes botânicos ou de quais os elefantes de onde coletamos os ingredientes, o sabor do gin pode mudar ligeiramente”. Cada garrafa inclui as coordenações de GPS de onde foram extraídas as fezes e a data de extração. 

Para além de incluir os sabores clássicos de gin, como coentros e zimbro, o Indlovu Gin tem a adição dos extratos da dieta dos elefantes, como ervas, frutas e casca de árvores, como aloé vera e acácia. 

O Indlovu Gin é produzida numa destilaria em Western Cape, uma pequena província da Cidade do Cabo, na África do Sul, e já é exportado para a Europa e para outros países do continente africano.

Cada garrafa tem o custo de 34 dólares, cerca de 30 euros, e 15% deste valor reverte para doações para a "Africa Fundation" para apoiar a conservação dos elefantes.