Internacional

Médico que denunciou coronavírus morreu esta quinta-feira

O homem, de 34 anos, alertou os colegas para a existência do novo coronavírus e foi aconselhado a ficar calado, depois de a Polícia de Wuhan o acusar de estar a espalhar rumores.

Li Wenliag, o médico que, a 30 de dezemebro, terá alertado os seus colegas para o internamento de sete pacientes que aparentavam sofrer que uma doença parecida à Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS), estará em estado crítico, no hospital de Wuhan. Depois de o Beijing Times e o Global times, ambas publicações chineses, terem avançado que o homem tinha morrido, o hospital emitiu um comunicado onde negou já ter sido declarado o óbito. O hospital confirmou, no entanto, que o estado do oftalmologista era crítico, mas que os servoços iriam fazer de tudo para "ressuscitá-lo". 

Segundo a BBC, o médico chinês terá alertado para a entrada destas pessoas, que em comum tinham o facto de virem todas de um mercado de peixe e marisco. Nesse dia, Li Wenliang enviou mensagens através do WeChat, uma espécie de WhatsApp, que mais tarde viriam a ser reveladas, alertando assim para o novo coronavíris, que já deixou mais de 28 mil pessoas infetadas.

O oftalmologista, de 34 anos, alertou-os apenas para que tivessem cuidado e revelou que as análises davam positivo para um novo coronavírus. As mensagens começaram a circular nas redes sociais e o médico acabou por ser aconselhado a ficar calado acerca do novo vírus, depois de ser acusado de espalhar rumores pela Polícia de Wuhan, cidade onde há o registo mais elevado de mortes e infetados.

Horas mais tarde, o Hospital Central de Wuhan disse que o médico não tinha resistido à infeção. O hospital admite que Li Wenliang morreu às 2h58 da madrugada (hora chinesa). "Na luta contra a epidemia de pneumonia da nova infeção por coronavírus, o oftalmologista do nosso hospital, Li Wenliang, infelizmente foi infetado. Ele está atualmente em estado crítico e estamos fazendo o possível para ressuscitá-lo", afirmou o hospital de Wuhan na sua conta oficial do Weibo. 

 

Notícia atualizada às 18h44