Sociedade

CUF avisa que não vai praticar eutanásia mesmo que seja despenalizada

Comunicado interno enviado pelo grupo José de Mello Saúde aos trabalhadores assume posição.

CUF avisa que não vai praticar eutanásia mesmo que seja despenalizada

Os hospitais e clínicas da rede CUF não vão praticar eutanásia caso esta prática venha a ser despenalizada em Portugal. Num comunicado enviado aos trabalhadores, a que o i teve acesso, o grupo José de Mello Saúde assume a posição contra a despenalização da morte medicamente assistida e reafirma o compromisso com o seu código de ética "aplicável a todas as unidades da rede CUF" e que consagra o princípio de respeito absoluto pela vida humana e pela dignidade da pessoa.

"A José de Mello Saúde considera a vida humana como o primeiro e o mais elevado de todos os valores, prevalecendo sobre os interesses da Ciência e da Sociedade, considerando que nem tudo o que é tecnicamente possível é aceitável. A técnica, ainda que fundamental, é apenas um dos valores a considerar quando se toma posições sobre a vida das pessoas", lê-se no comunicado. "Esta opção não constitui de forma alguma, qualquer limitação à qualidade do desempenho técnico e científico dos profissionais de saúde da rede CUF. Pelo contrário, impõe a todos, sem exceção, a mais elevada competência, seja técnica, científica, profissional e humana, porque esta é a primeira linha do respeito devido à dignidade das pessoas doentes."

O grupo assinala que o código de ética implementado nas instituições define uma "cultura própria" baseada no "respeito pela pessoa humana, como um sujeito de direitos e não um objeto das intervenções médicas e com uma dignidade intrínseca e constitutiva que nenhuma doença, em nenhuma fase, afeta, diminui ou anula". 

Em 2007, quando foi despenalizada a interrupção da gravidez até às 10 semanas por opção da mulher, o grupo recusou também a prática da IVG, remetendo na altura a posição para o disposto no código de ética da empresa.

Os comentários estão desactivados.