Sociedade

"Estive com o Luís Sepúlveda e a Saúde 24 disse-me para lavar as mãos várias vezes"

Escritor chileno Luís Sepúlveda infetado com o novo vírus depois de ter estado na Póvoa de Varzim. Adriano Maranhão, um dos portugueses contaminados, já teve alta hospitalar.


O escritor chileno Luís Sepúlveda, de 70 anos, foi internado num hospital das Astúrias, em Espanha, com Covid-19, após ter estado na Póvoa de Varzim, entre 18 e 23 de fevereiro, a marcar presença no festival literário Correntes d’ Escritas, acompanhado da sua mulher Carmen Yañez. As reações ao que aconteceu não tardaram a aparecer e a espalhar-se pelo mundo. O escritor e jornalista Miguel Szymanski, por exemplo, que esteve no festival e conviveu diretamente com Sepúlveda, garantiu ao i que, ao contactar a Saúde 24, disseram-lhe “não ser necessário” isolar-se em casa, bastaria apenas lavar as mãos e medir a temperatura duas vezes ao dia, bem como deram permissão para as suas duas filhas irem à escola. No entanto, em conversa posterior com um médico na Alemanha, tentou perceber por que razão o isolamento não se trata de uma medida obrigatória. “Ele disse-me que as pessoas que tiveram contacto com doentes com Covid-19 deveriam ficar duas semanas isoladas. Perguntei qual, na sua opinião, a possível razão para em Portugal não se dar essa recomendação. A resposta foi: ‘Provavelmente as entidades responsáveis em Portugal já desistiram ou então nunca tiveram planos para conter a propagação do vírus’”, sublinhou, numa publicação no Facebook, explicando ainda ao i que conhece colegas e escritores que também contactaram a Saúde 24 e obtiveram as mesmas respostas, depois de terem estado também em Lisboa. “Passaram nove dias desde que estivemos juntos. Várias pessoas também estiveram no Instituto Cervantes, em Lisboa, em contacto com milhares de outras. Centenas de pessoas abraçaram e beijaram Sepúlveda”, disse.

O escritor português José Luís Peixoto também esteve, por seu turno, no evento e lamentou o que aconteceu a Sepúlveda, dizendo não sentir, para já, “qualquer sintoma”. “Tenho estado de excelente saúde. Ainda assim, vou ligar para a Saúde 24, tal como é recomendado. Resta-me desejar as rápidas melhoras ao Luís Sepúlveda, assim como para a sua mulher. Gostava que não estivessem a passar por isto”, escreveu José Luís Peixoto numa publicação no Facebook. “Quando liguei o telemóvel, tinha bastantes chamadas e mensagens”, confessou. Também o psiquiatra Júlio Machado Vaz foi ao evento e disse ao i não ter estado com o escritor chileno e que não foi contactado pela organização do certame nem pela DGS como forma de prevenção.

Quanto à população da Póvoa de Varzim, não sentiu uma preocupação adicional na sequência deste caso, pelo menos no que toca à deslocação às farmácias para comprar produtos de prevenção. Segundo apurou o i, têm sido vendidas máscaras, gel desinfetante para as mãos, tal como tem sido habitual nos últimos dias, mas não tem existido uma maior afluência da população.

Em comunicado, a autarquia da Póvoa de Varzim recomendou medidas de prevenção a quem esteve em contacto direto com Luís Sepúlveda. “Todos os funcionários ou colaboradores que contactaram diretamente, num espaço de 1 a 2 metros, com o autor, devem ficar em casa, evitar contactos sociais e seguir os procedimentos da Direção-Geral de Saúde (DGS)”, lê-se. A DGS já iniciou uma “investigação epidemiológica” para tentar identificar os contactos próximos do escritor e da sua mulher e garantiu estar em contacto permanente com as Autoridades de Saúde de Espanha. “O caso teve início de sintomas a 25 de fevereiro. A mulher do escritor parece também ter sintomatologia compatível, encontrando-se sob investigação. A fonte de infeção está também a ser avaliada”, explicou Graça Freitas.

Já a Porto Editora, que em Portugal representa o escritor de 70 anos, garantiu que os profissionais que tiveram contacto direto com ele encontram-se bem de saúde. “Estão todos bem, mas, de acordo com as recomendações da DGS, vão ficar em casa, em vigilância, até terminar o prazo estipulado”, pode ler-se numa publicação feita no Twitter.

O problema é que ninguém sabe a dimensão de um provável contágio provocado pelo escritor chileno. Houve centenas de pessoas que estiveram no referido encontro, que por sua vez estiveram em contacto com outras centenas de pessoas.

Supermercados vazios A manchete do semanário Expresso que titulava “Graça Freitas admite um milhão de infetados em Portugal” provocou algum caos, obrigando a DGS a corrigir essa informação. A verdade é que alguns supermercados da grande Lisboa ficaram com as prateleiras dos enlatados vazias. Ao i, Gonçalo Lobo Xavier, presidente da Associação Portuguesa das Empresas de Distribuição (APED) garantiu não ter indicação de qualquer alarme. “Não temos indicação de qualquer perturbação nas nossas lojas de retalho alimentar e esperamos que os padrões normais de consumo se mantenham”.

Português afetado tem alta A ministra da Saúde, Marta Temido, confirmou, esta segunda-feira, que foi registado o primeiro caso de coronavírus em Portugal e que um segundo caso, que deu positvo, aguarda validação. Adriano Maranhão, o primeiro cidadão luso contaminado com o Covid-19, a bordo de um navio atracado em Yokohama, no Japão, recebeu ontem alta hospitalar, depois de terem sido feitas novas análises.

Além de Adriano Maranhão, existe outro português infetado com o vírus, segundo avançou o Ministério dos Negócios Estrangeiros, que optou por não revelar a sua identidade.

O número de mortos em Itália, recorde-se, subiu para mais de 30 e os casos de contágio já ultrapassam os 1500. As regiões mais afetadas são Lombardia, Veneto e Emília Romana, onde as escolas vão continuar encerradas até 8 de março, bem como todas as atividades comerciais, e o país já preparou um pacote de 3,6 mil milhões de euros contra o impacto económico do surto. Em Espanha, o caso não é tão alarmante, mas já são mais de 70 o número de casos confirmados no país.