Internacional

Caos nas bolsas após Trump fechar as portas à Europa

Reino Unido com 459 infetados não está abrangido pela medida dos EUA.

O Presidente dos Estados Unidos, na sequência da OMS ter declarado o Covid-19 como pandemia e do aumento significativo de infetados no país, proibiu a entrada de viajantes europeus durante trinta dias.

Há no entanto uma exceção, a medida não se aplica ao Reino Unido, que tem 459 infetados. São “medidas fortes, mas necessárias” afirmou, quarta-feira, em direto da Sala Oval, na Casa Branca, em Washington.

"Eu decidi tomar estas medidas duras, mas necessárias, para proteger a saúde e o bem-estar de todos os americanos", justificou Donald Trump.

O Presidente dos EUA fez ainda questão de criticar e lamentar que a União Europeia não “tenha adotado "as mesmas precauções".

A notícia caiu que nem uma bomba nas principais bolsas europeias esta quinta-feira, e é provável que os estragos económico-financeiros se agravem e prolonguem.

As principais bolsas europeias estavam em baixa esta manhã, com todos os investidores à espera da reunião de política monetária do Banco Central Europeu (BCE).

Cerca das 09h00 em Lisboa, o EuroStoxx 600 recuava 6,82% para 310,43 pontos.

As bolsas de Londres, Paris e Frankfurt desciam 6,44%, 6,08% e 7,06%, respetivamente, bem como as de Madrid e Milão, que se desvalorizavam 6,55% e 5,71%.

Depois de ter aberto em baixa, a bolsa de Lisboa mantinha a tendência e, cerca das 09h00, o principal índice, o PSI20, descia 5,33% para 3.992,48 pontos.