Economia

Seat. Valor do bónus aumenta 45,1% e cada trabalhador vai receber 1550 euros

Este é o quarto ano consecutivo – após a aprovação do acordo coletivo em 2016 – que a Seat vai distribuir um pagamento de benefícios pelo resultado obtido, o que representa quase 4000 euros para cada trabalhador durante este período.

A Seat decidiu premiar os seus colaboradores, em reconhecimento dos esforços durante o último ano. A empresa vai pagar já em abril um bónus no valor de 1550 euros (brutos), o que significa um aumento de 45,1% face ao valor do prémio referente a 2018 (que foi de 1068 euros).
 
Este é o quarto ano consecutivo – após a aprovação do acordo coletivo em 2016 – que a Seat vai distribuir um pagamento de benefícios pelo resultado obtido, o que representa quase 4000 euros para cada trabalhador neste período.

Em comunicado, a empresa refere que “o pagamento do benefício de 2019 é o mais alto da história da Seat e é também 250 euros superior ao máximo previsto pelo acordo coletivo”. “A empresa, em resposta ao pedido do sindicato da UGT e da CC.OO., decidiu distribuir um bónus extra em reconhecimento aos esforços dos colaboradores durante o ano passado”, lê-se na nota.

O vice-presidente de Recursos Humanos, Xavier Ros, afirmou que "2019 foi mais uma vez um ano recorde para a Seat graças aos profissionais que fazem parte da empresa. Este pagamento de benefícios é histórico e é a nossa forma de agradecer a todos pelo empenho e dedicação em alcançar os excelentes resultados do ano passado, que também foi um ano difícil".

Entretanto, e como consequência da situação extraordinária resultante da pandemia de covid-19, a Seat acordou um pacote de medidas, incluindo um Regulamento de Trabalho Temporário (ERTE) por motivos de força maior, que se aplicará apenas às pessoas que devam interromper a sua atividade laboral nesta fase. Além disso, a empresa apresentou um plano de pagamentos tendo em vista complementar o subsídio de desemprego até atingir 80% do valor equivalente a 14 salários e suplementos de assistência, a dividir pelos 12 meses seguintes.