Internacional

Itália. Mais 602 mortes e 4790 casos

É o segundo dia consecutivo em que diminui o número de novos casos no país mais afetado pelo novo coronavírus. Mas só quando a tendência se prolonga por três dias se pode considerar, segundo os especialistas, que a propagação do novo coronavírus está efetivamente em fase decrescente.

Os números são aterradores: nas últimas 24 horas, mais 602 pessoas morreram vítimas do novo coronavírus em Itália e 4790 novos casos de infeção foram detetados. Mas são estes mesmos números os que começam a abrir uma luz ao fundo do túnel para os italianos. 

Esta segunda-feira é o segundo dia consecutivo em que os números de novos casos diários são mais baixos do que na véspera, o que poderá indicar que a pandemia terá atingido o seu pico no país - pelo menos no norte do país, a região mais fustigada pelo novo coronavírus, que já matou 5476 italianos, entre os quais 18 médicos contagiados no exercício de funções.

Aos italianos, continua a ser pedido que cumpram a quarentena, pois não está excluída a possibilidade de vir a registar-se um novo pico da pandemia, caso o vírus se propague a sul. Além disso, segundo os especialistas, só ao fim de três dias de diminuição do número de novos casos se pode considerar que a propagação do novo coronavírus está efetivamente em fase decrescente.

"Os números de hoje são mais baixos do que os números que demos ontem, o que contraria a tendência", disse a Proteção Civil na conferência de imprensa em que foi anunciado o boletim desta segunda-feira. "Esperamos que esta tendência possa ser confirmada nos próximos dias. No entanto, não devemos baixar a guarda. Devemos respeitar as medidas que foram adotadas, devemos respeitar as indicações que foram dadas, bem como as medidas do Governo".