Opiniao

Albert Uderzo (1927-2020)

A vinheta inicial de A Odisseia de Astérix (1981) – um dos melhores álbuns de Uderzo a solo –, mostra a luta pela sobrevivência travada pelos habitantes silvestres da floresta gaulesa. 

Uderzo está ali no seu esplendor artístico de autor de BD humorística e de inspiração animalista, no espectáculo cruento que a natureza constantemente nos dá, dulcificado pela matriz dos comics americanos, onde bebeu: de Walt Disney e seus colaboradores a Milton Caniff, o criador de Terry e os Piratas e Steve Canyon, este último não despiciendo para a a BD de aviação Tanguy e Laverdure (1959), com texto de Jean-Michel Charlier, o excelso argumentista de Fort Navajo (Tenente Blueberry).

A grande influência, porém, e porque exercida pessoalmente, foi a de Edmond Calvo (1892-1957), um prodigioso animalista, a quem chamaram o “Walt Disney francês”. A sua obra mais reconhecida, La Bête Est Morte! – La Guerre Mondiale chez les Animaux, publicado imediatamente após a Libertação, trouxe-lhe o reconhecimento do próprio Disney. Os mestres excepcionais detectam-se sempre nos díscípulos de génio. Neste Uderzo de 1981, sexagenário já entrado, temos a impressão de Calvo é visivel. Aliás, é-o desde 1946, quando aos 19 anos, após vencer um concurso, publica o primeiro álbum – um feito para a época –, Les Aventures de Clopinard, le Dermier des Gognards, um perneta sobrevivente da batalha de Waterloo...

O êxito incomparável de Astérix o Gaulês não existiria sem o talento de Uderzo, sem a inteligência da caracterização psicológica daquelas figuras caricaturais, quase disneyescas. Sim, Goscinny era o espírito crítico, a audácia do subtexto, o génio da ironia; mas só com Uderzo e Astérix é que Goscinny é completamente Goscinny. Encontraram-se em 1951, e tiveram praticamente uma década de afinação, até apresentarem, em 1958, uma obra que faria jus àquela chamcela de dream team, como lhe chamou o hergéfilo Jacques Langlois, Uderzo & Goscinny: Humpá-pá o Pele Vermelha, nas páginas da revista Tintin, que em muito antecipava o tom de Astérix: na América do Norte do século XVIII, a tribo dos Shavashavah é confrontada com a invasão de forças europeias, francesas e inglesas, com as quais tem de lidar. Aldeias a que não falta um chefe patusco, invasores alienígenas... Humpá-pá intrépido, menos experiente que o pequeno gaulês, tem também o seu perceiro, cómico e desajeitado como Obélix, o cavaleiro Humberto de Massa Folhada (ou Escalpe Duplo, como lhe chamavm os índios, por causa da peruca) porém trinca-espinhas, ao contrário do fabricante de menires.

No ano seguinte, na revista Pilote, Uderzo desdobra-se entre a BD realista de Tanguy e Laverdure e outra de teor humorístico, Astérix o Gaulês, em benefício da qual abandonará a primeira. Curiosamente, é substituído por um expoente da “Escola de Marcinelle” (da revista Spirou), Jijé, que dará à série dos pilotos-aviadores uma rugosidade que o traço suave de Uderzo não permitia.

Após a morte de Goscinny, Uderzo foi muito criticado por os seus álbuns a solo não alcançarem o nível dos anteriores, algo que é excessivo. O Grande Fosso e As Mil e Uma Noites de Astérix são outros títulos ao melhor nível da dupla.