Economia

Comissões de utentes dos transportes da Margem Sul protestam em S. Bento

A comissão de utentes acusa a administração dos Transportes Sul do Tejo (TST) de manter motoristas em layoff e não cumprir as suas obrigações de prestação de serviço público e de segurança.

A comissão de utentes de Transportes da Margem Sul realiza esta quarta-feira, dia 24, uma concentração em frente à residência oficial do primeiro-ministro. A iniciativa vai contar com a participação da Fectrans – Federação de Sindicatos de Transportes, do MUSP - Movimento de Utentes dos Serviços Públicos e de outras comissões de utentes.

Em comunicado, comissão de utentes justifica a concentração “pela atitude da administração dos Transportes Sul do Tejo (TST) que mantém motoristas em layoff e não cumpre as suas obrigações de prestação de serviço público”.

 “A administração dos TST que, ainda antes da declaração do estado de emergência, já não cumpria as suas obrigações e tinha vindo a reduzir a oferta de transportes públicos, continua sem repor a totalidade dos horários, pelo que é hora de o governo tomar uma atitude e defender os direitos dos utentes deste serviço essencial”, refere a nota.

A comissão de utentes acusa a administração dos TST a ser “das primeiras a aproveitar as medidas do governo para colocar em layoff os seus trabalhadores e para terminar com os seus serviços, e é das últimas a retomar as frequências e horários”.

“Nas últimas semanas são múltiplos os casos em que os horários não são cumpridos, deixando os utentes à espera durante horas ou em que os autocarros circulam com mais de 2/3 da sua lotação, pois quando chegam às paragens acumulam os passageiros de dois ou mais horários. Não é legítimo que nos seja pedido para mantermos o distanciamento social e que os transportes públicos circulem sobrelotados”, acusam os utentes.