Economia

TAP. Retoma gradual de voos garante 66 rotas em agosto e 76 em setembro

A TAP destaca que, apesar da retoma, os voos em setembro vão equivaler a apenas "cerca de 40 por cento" da operação normal da companhia aérea, em comparação com o período anterior à pandemia de covid-19.

A TAP anunciou que vai realizar cerca de 500 voos semanais de ida e volta em agosto, num total de 66 rotas. A companhia área nacional vai continuar a repor gradualmente as suas ligações e, em setembro, tem previsto realizar perto de 700 voos por semana, num total de 76 rotas – o que, ainda assim, equivale somente a cerca de 40 por cento da sua operação normal, em comparação com o período anterior à pandemia de covid-19.

Em comunicado, a TAP anunciou que vai aumentar a sua oferta já no mês de agosto, em que passa “a oferecer 18 voos semanais para o Brasil, 20 voos para seis destinos na América do Norte, 44 voos para 9 destinos em África, 329 voos para 30 cidades na Europa e 126 voos para seis aeroportos nacionais”. “É em setembro, no entanto, que a TAP vai repor de forma mais significativa a sua operação, retomando cerca de 40 por cento do que era a sua oferta normal no período pré-covid. A transportadora aérea nacional vai ter nesse mês 22 voos por semana para o Brasil, 30 voos em oito rotas na América do Norte, 59 voos para 13 cidades em África e no Médio Oriente, 498 voos para 35 cidades europeias e 159 voos entre seis cidades de Portugal”, refere o comunicado.

Na nota, a TAP destaca que “o Porto passa a contar, em agosto, com ligações a Ponta Delgada, Rio de Janeiro, Newark, Londres, Milão e Zurique, que se juntam às ligações a Paris, Luxemburgo e ao Funchal repostas em julho. Em setembro inicia-se a rota Porto-Amesterdão”.

Recorde-se que o plano de retoma de voos da TAP fez “estalar” a polémica entre a companhia aérea e entidades do Norte do país, depois de a companhia aérea ter incluído apenas três novas ligações ao Aeroporto Sá Carneiro (Paris, Luxemburgo e Madeira) no plano de rotas para os meses de junho e julho, embora tenha previsto a retoma de 27 ligações semanais em junho e 247 em julho (a esmagadora maioria das quais de e para Lisboa).

Apesar deste anúncio, a companhia aérea alerta que “a lista de rotas e voos poderá ser ajustada sempre que as circunstâncias o exijam, face à dinâmica da evolução das imposições e restrições dos vários países, em virtude da evolução da pandemia, bem como da evolução da procura”.