Economia

Profissionais do setor infantil perdem 397 euros por mês com pandemia

Segundo o relatório da plataforma Fixando, 77% dos inquiridos afirmam estar a receber, neste momento, menos de 500 euros mensais.
 

Os profissionais que atuam na área infantil registam em média uma quebra dos lucros de 397 euros por mês, sendo que 77% dos inquiridos afirmam estar a receber, neste momento, menos de 500 euros mensais, revela a plataforma online Fixando, num estudo realizado junto de 1200 profissionais da área e utilizadores da plataforma.
 
Com o objetivo de medir o impacto da pandemia na vida das crianças e dos profissionais da área em Portugal, este estudo – realizado entre os dias 29 de setembro e 7 de outubro pela plataforma para a contratação de serviços locais –, adianta ainda que um em cada dois profissionais não irá “sobreviver” a partir de dezembro, caso a situação se mantenha.

Ainda assim, a medidas adotadas no local de trabalho “têm sido tomadas no sentido de respeitar as regras de segurança, nomeadamente a desinfeção de mãos, dos espaços, dos materiais de trabalho e utilização de máscaras”, refere o relatório.

Já do lado dos familiares das crianças, a preocupação recaí não só sobre a segurança, mas também sobre o impacto da pandemia na vida social e nas rotinas, sendo que 49% dos inquiridos considera muito negativo o impacto da pandemia e das restrições na vida das crianças. 

Relativamente à sensação de segurança, 64% das famílias considera insegura a realização de festas de aniversário, 40% insegura a participação em atividades extracurriculares, 51% insegura a frequência de parques infantis e similares.