Economia

Administração central. 25% em teletrabalho no interior do país

Só no próximo ano serão identificados os serviços públicos e os seus trabalhadores a transferir para o interior do país.

O Governo prevê a transferência de serviços públicos para o interior do país. Uma medida que "será alicerçada num programa de portabilidade dos postos de trabalho, visando o aproveitamento das estruturas locais existentes, nomeadamente nas autarquias ou noutras instituições do Estado, para que possam ser criados centros de teletrabalho no interior do país, designadamente através da disponibilização de espaços de trabalho partilhados (co-work)". refere a proposta do Orçamento do Estado para 2021.

"A transferência de serviços públicos para o interior vai ao encontro de três compromissos do Governo: permitir o teletrabalho a 25% dos trabalhadores da administração central com funções compatíveis até ao final da legislatura; implementar espaços de teletrabalho; e promoção de coesão territorial através valorização do interior com a transferência de trabalho qualificado para estes territórios", refere o documento. 

De acordo com a proposta  a implementação destes espaços de trabalho partilhado, “permite ao trabalhadores uma maior flexibilidade na gestão do seu dia-a-dia, fixar população nas regiões de menor densidade populacional, melhorar a qualidade de vida dos trabalhadores da Administração Pública, bem como a manutenção das relações sociais no contexto laboral”.

Só no próximo ano serão identificados os serviços públicos e os seus trabalhadores a transferir para o interior do país.