Internacional

EUA tentam evitar o pesadelo do Dia de Ação de Graças

Especialistas alertam que reuniões familiares no Dia de Ação de Graças podem provocar um acontecimento “altamente transmissível”.

Na Europa, uma das grandes preocupações é encontrar a melhor maneira para as famílias desfrutarem do Natal e do Ano Novo, mas, nos Estados Unidos, antes de se focarem nestes feriados, primeiro ainda há que lidar com o Dia de Ação de Graças, que se celebrou ontem.

Para os norte-americanos, este é mesmo um dos feriados mais importantes, o momento de reunir a família, levando muitos a percorrer milhares de quilómetros, entre estados diferentes, para se encontrarem com os seus entes queridos. Mas este não é um ano normal. Os EUA têm o maior número de casos de covid-19 registados no mundo, superando os 13 milhões de infeções, com mais de 268 mil mortes. O especialistas de saúde estão em alvoroço com as potenciais cadeias de transmissão que podem surgir neste feriado, quando se come o tradicional peru com puré.

“Esta pode ser, potencialmente, a mãe de todos os eventos altamente transmissíveis”, disse Jonathan Reiner, antigo conselheiro médico da Casa Branca, à CNN, recordando que, no verão, o rali Sturgis Motorcycle foi dos principais disseminadores de covid-19 na região Centro-Oeste dos Estados Unidos. “Imaginem agora isto, mas numa escala massiva, com pessoas a desembarcar em todos os aeroportos dos EUA e a transportar o vírus com elas”, alertou.

Anthony Fauci, o principal especialista em doenças infecciosas do país, já pediu a todos os norte-americanos para fazerem um “sacrifício”. “Mantenham as reuniões dentro de casa o mais pequenas possível. Todos sabemos como é difícil porque é um feriado tão bonito e tradicional. Mas, ao fazerem esse sacrifício, vão evitar infeções”, disse no programa Good Morning America, da ABC.

Fauci ainda recomendou, caso a família não tenha cumprido a quarentena ou testado para a covid-19 antes da reunião, que “a máscara deve ser usada”.

“Há transmissão na comunidade neste momento. Há pessoas que não têm sintomas e não sabem que estão infetadas. Por isso, precisamos de fazer mais testes na comunidade”.

O Presidente eleito, Joe Biden, dirigiu-se à nação a propósito deste feriado, e pediu aos norte-americanos para respeitarem os comportamentos de segurança, reforçando a importância do uso de máscara e do distanciamento, deixando ainda uma mensagem de esperança. “Sei que o país está cansado desta luta. Precisamos de nos lembrar que estamos em guerra com o vírus, não uns com os outros”.

“A América não vai perder esta guerra. Não se deixem vencer pelo cansaço”, apelou Biden.

Já o Presidente cessante, Donald Trump, disse exatamente o aposto de Biden e Fauci. “Encorajo todos os americanos a reunirem-se em casas, locais de culto. E ofereçam a Deus uma prece de agradecimento por todas as nossas bênçãos”, afirmou Trump, apesar de especialistas de saúde terem aconselhado exatamente o contrário.