Sociedade

Portugal regista o número mais elevado de mortes desde o início da pandemia e supera as 8.000 vítimas mortais

Morreram mais de 150 pessoas nas últimas 24 horas em Portugal devido à covid-19. No mesmo período de tempo, o número de doentes internados aumentou e voltou a bater recordes, tal como o número de casos ativos, que não pára de aumentar. A região mais afetada é Lisboa e Vale do Tejo, onde se registaram a maior parte dos óbitos e dos novos casos. 

Portugal superou esta terça-feira as oito mil vítimas mortais associadas à covid-19 e bateu, pelo segundo dia consecutivo, o recorde diário de óbitos devido à doença. De acordo com o boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS), nas últimas 24 horas, o país registou 155 óbitos por covid-19. Até então, o número mais alto de mortes tinha sido registado ontem, com 122 vítimas mortais.

Nas últimas 24 horas, foram ainda diagnosticados 7.259 novos casos. O país regista agora um total acumulado de 496.522 infeções e 8.080 óbitos desde o início da pandemia.

Dos 155 óbitos registados, 68 ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo. Já o Norte e o Centro registaram o mesmo número de mortes: 36 cada. Segue-se o Alentejo, com 12 óbitos, o arquipélago da Madeira, com dois, e o Algarve, com um.

Foi também em Lisboa e Vale do Tejo que se registaram a maior parte dos novos casos, com 3.201 infeções. Na região Norte há mais 2.180 infetados e no Centro mais 1.129. No Alentejo foram confirmados mais 434 casos e no Algarve mais 143. As Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira contabilizam mais 101 e 71 infeções, respetivamente.

O número de doentes internados com covid-19 continua a aumentar e a atingir recordes, tendo ultrapassado a marca dos quatro mil. No total, estão internas 4.043 pessoas, mais 60 dos que ontem. Nos cuidados intensivos encontram-se agora 599 doentes, mais 32 do que no balanço anterior – este número também é o mais elevado desde o início da pandemia.

Por outro lado, mais 6.028 pessoas venceram a doença, aumentando para 370.084 o total de recuperados.

Sob vigilância das autoridades de saúde estão neste momento 125.296 pessoas e há 110.388 casos ativos no país – números recorde.

Consulte aqui o boletim na íntegra.