Economia

Investimento empresarial terá diminuído 16,3% em 2020

Inquérito aponta, no entanto, para uma recuperação parcial já este ano, sendo esperado um crescimento de 3,5%.

O investimento empresarial registou uma quebra de 16,3% em termos nominais no ano passado, revelou esta segunda-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE). No entanto, para este ano, o inquérito levado a cabo pelo INE aponta para uma recuperação parcial do investimento empresarial, sendo esperado um crescimento de 3,5%.

"De acordo com os resultados apurados no Inquérito de Conjuntura ao Investimento de outubro de 2020 (com período de inquirição entre 1 de outubro de 2020 e 14 de janeiro de 2021), o investimento empresarial em termos nominais diminuiu 16,3% em 2020, traduzindo uma redução expressiva face às perspetivas reveladas no inquérito anterior (variação de  8,9%)", avança o gabinete de estatística.

Segundo o INE, a revisão em baixa teve maior expressão entre as grandes empresas (4.º escalão – 500 pessoas ou mais ao serviço e 3.º escalão – entre 250 a 499 pessoas ao serviço) que terão cancelado ou adiado decisões de investimento.

Mas, apesar das quebras de 2020, perspetiva-se uma recuperação já este ano. “Este crescimento centra-se nas empresas pertencentes ao 4º escalão, que projetam um aumento do investimento em 10,5% (contributo de 4,6 pontos percentuais (p.p.)) e nas do 3º escalão, com uma variação da FBCF de 19,0% em 2021 (contributo de 3,0 p.p.)”, diz o INE.

Já as perspetivas das empresas dos restantes escalões (pequenas e médias empresas) “apontam para a continuação da redução significativa do investimento em 2021, embora menos intensa que a registada em 2020”.