Economia

CIP quer desconfinamento inteligente e aproveitamento de fundos

Os patrões pedem ainda o correto aproveitamento dos fundos comunitários, como a “bazuca”, o quadro financeiro plurianual” e o que falta utilizar do programa Portugal 2020.

A Confederação Empresarial de Portugal (CIP) defendeu hoje, em Lisboa, ser necessário encontrar formas para um “desconfinamento inteligente”, nomeadamente com o regresso à escola de alguns níveis e alívio das medidas para a restauração.

“Neste momento, o que deveríamos fazer era encontrar formas de um desconfinamento inteligente, como está a ser falado, até um determinado nível de escolaridade, os alunos possam voltar à escola, […] da mesma maneira como se deveria desconfinar determinas tipologias da restauração com uma massificação de testes”, considerou o presidente da CIP, António Saraiva, após uma audiência com o Presidente da República, em Belém.

Para este responsável, a par do combate pela saúde pública, tem que se assegurar a economia, uma vez que, “além de salvar vidas, vamos ter que continuara a alimentar essas vidas”.

Adicionalmente, os patrões pedem o correto aproveitamento dos fundos comunitários, como a “bazuca”, o quadro financeiro plurianual” e o que falta utilizar do programa Portugal 2020, em instrumentos produtivos, capitalização e recapitalização das empresas.

Antes da CIP, Marcelo Rebelo de Sousa recebeu a Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), seguindo-se a Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP).

Na quarta-feira, o Presidente da República ouviu a Confederação do Turismo de Portugal (CTP), a União Geral de Trabalhadores (UGT) e a Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP).