Internacional

Dinamarca mantém vacina da AstraZeneca suspensa mais três semanas

País quer mais tempo para excluir completamente uma ligação entre a vacina e o aparecimento de coágulos, nalguns casos letais.

A Dinamarca anunciou, esta quinta-feira, que, apesar de a vacina da Astrazeneca ter sido considerada segura e eficaz, vai manter a suspensão do fármaco durante mais três semanas.

"Hoje decidimos estender a suspensão durante três semanas", afirmou o diretor da Agência Nacional de Saúde da Dinamarca, Søren Brostrøm, em conferência de imprensa, justificando a decisão com o facto de considerar que o país precisa de mais tempo para excluir completamente uma ligação entre os casos conhecidos de coágulos sanguíneos em pessoas vacinadas e o fármaco contra a covid-19 da AstraZeneca.

Recorde-se que a Dinamarca interrompeu o uso deste fármaco como medida de precaução a 11 de março, na sequência de ter sido noticiada morte de uma mulher, de 60 anos, com vários coágulos, uma semana depois de lhe ter sido administrada uma dose da vacina.

Pouco depois, foi relatada a morte de uma segunda pessoa em situação semelhante, sublinhe-se que as autoridades dinamarquesas admitiram não haver provas de um nexo de causalidade entre vacina e coágulos, mas decidiram suspender a administração do fármaco da AstraZeneca.

O mesmo comportamento foi depois adotado por vários países, incluindo Portugal, sendo que a grande maioria levantou a suspensão após a nova avaliação da Agência Europeia do Medicamento e da OMS, que declararam a eficácia e a segurança da vacina.

A morte de uma segunda pessoa na Dinamarca, após receber a vacina da AstraZeneca, foi relatada pouco depois, embora as autoridades de saúde dinamarquesas tenham admitido não haver provas de que a vacina foi responsável por qualquer uma das mortes.