Sociedade

Começa esta segunda-feira a terceira fase de desconfinamento

Alunos do secundário e do superior voltam ao ensino presencial e restaurantes sem esplanadas podem voltar a abrir com as regras que vigoram a partir de segunda-feira.


Começa esta segunda-feira a terceira de quatro fases do desconfinamento. A partir desta segunda-feira os alunos do ensino secundário e superior voltam ao regime presencial; abrem cinemas, teatros, auditórios e salas de espetáculos, as lojas do cidadão com atendimento presencial por marcação, todas as lojas e centros comerciais, tal como restaurantes, cafés e pastelarias (com quatro pessoas por mesa ou seis pessoas, se estiverem na esplanada), que funcionarão até às 22h30 aos dias de semana e às 13h aos fins de semana.

A partir desta segunda-feira será ainda possível praticar modalidades desportivas de médio risco, como é o caso da maioria dos desportos de grupo - futebol, futsal, andebol, basquetebol, hóquei e voleibol. Será também possível juntar seis pessoas e praticar exercício ao ar livre e ir ao ginásio, sem fazer aulas em grupo.

Passam, por fim, a ser permitidos eventos exteriores com diminuição da lotação e a realização de casamentos e batizados com 25% de lotação.

Se tudo correr como é suposto, a 3 de maio procede-se à ultima fase de desconfinamento, em que os estabelecimentos podem abrir sem restrições de horários e se poderão praticar quaisquer atividades físicas.

Concelhos que ficam para trás

A terceira fase de desconfinamento não irá, no entanto, avançar de maneira igual em todo o país. Existem seis concelhos - Alandroal, Albufeira, Carregal do Sal, Figueira da Foz, Marinha Grande e Penela - cuja taxa de incidência de mantém superior a 120 casos por 100 mil e que, por isso, continuarão na segunda fase de desconfinamento.

Existem ainda quatro concelhos - Moura, Odemira, Portimão e Rio Maior - que por apresentarem mais de 240 casos por 100 mil habitantes vão voltar à primeira fase de confinamento, encerrando assim as esplanadas, os ginásios e as lojas com menos de 200 metros quadrados, regressando as vendas por postigo.

Recorde de vacinação

Estas medidas surgem, numa altura, em que foram administradas este sábado mais de 120 mil doses da vacina, sendo este o valor mais elevado de vacinas inoculadas num só dia no país. O país bateu o recorde diário de vacinação, tendo assim elevado o número total de inoculações para 2,5 milhões.

Das 120 mil doses administradas, cerca de 100 mil foram a pessoal docente e não docente e a trabalhadores das respostas sociais. Portugal deverá receber, este trimestre, um número muito superior de vacinas relativamente àquele que recebeu nos três primeiros meses do ano, apesar de todos os constrangimentos com a vacina da AstraZeneca e da Janssen.

De acordo com o último relatório da vacinação contra a covid-19, mais de metade das pessoas com idade superior a 80 anos já têm a vacinação completa e cerca de 90% já tomou pelo menos uma dose da vacina. Relativamente às restantes faixas etárias, já 27% das pessoas entre os 65 e os 79 anos receberam uma dose da vacina, sendo que, na reunião do Infarmed que decorreu na semana passada, o coordenador da task-force adiantou que o objetivo é vacinar “todas pessoas acima dos 60 anos entre a última semana de maio e a primeira de junho”.

A partir de agora, o método principal de vacinação será a sequenciação etária, garantiu ainda Gouveia e Melo, “usando 90% das vacinas para isso”. Apenas os restantes 10% de vacinas serão deixados “para doenças que não estão relacionadas com a idade”. Numa visita a um centro de vacinação no passado sábado, o vice-almirante afirmou que “é muito mais perigoso não ter a vacina do que ter”.