Economia

Preços da eletricidade e gás baixam na UE no 2.º semestre de 2020

A Alemanha (30 euros por 100 kWh) é o país com a eletricidade mais cara, incluindo taxas e impostos, seguida da Dinamarca (28,1 euros), da Bélgica e (27 euros) e a Irlanda (26,1 euros).

Os preços da eletricidade e gás domésticos recuaram ligeiramente na zona euro e União Europeia (UE) no segundo semestre de 2020, face ao período homólogo, com Portugal a registar terceiro maior aumento do gás, divulga hoje o Eurostat.

Na UE, os preços da eletricidade para consumo doméstico recuaram, entre julho e dezembro de 2020 para os 21,3 euros por 100 kWh, face aos 21,7 euros por 100 kWh do segundo semestre de 2019, e na zona euro diminuíram para os 22,7 euros, face aos 22,9 do período homólogo.

Os preços do gás para uso doméstico, por seu lado, também diminuíram ligeiramente, situando-se em 6,89 euros por 100 kWh no segundo semestre de 2020 na UE (contra 7,2 euros no semestre homólogo) e na zona euro desceram de 7,6 para 7,49 euros por kWh.

Os impostos e taxas representaram 40% das contas de eletricidade cobradas aos agregados familiares na UE no segundo semestre de 2020, e nas faturas de gás a parte correspondente foi de 32%.

De acordo com o gabinete estatístico europeu, a Alemanha (30 euros por 100 kWh) é o país com a eletricidade mais cara, incluindo taxas e impostos, seguida da Dinamarca (28,1 euros), da Bélgica e (27 euros) e a Irlanda (26,1 euros).

No outro extremo da tabela estão a Bulgária (9,8 euros), a Hungria (10 euros) e a Estónia (12,9 euros por kWh).

As maiores descidas homólogas nos preços da eletricidade doméstica foram observadas na Holanda (-33,8%), seguida por Chipre (-24,1%) e Suécia (-17,2%).

Em contrapartida, o maior aumento foi registado no Luxemburgo (10,3%), à frente da Polónia (9,7%) e da Eslováquia (8,8%).

Em Portugal, a eletricidade, com taxas e impostos incluídos, custou 21,3 euros por kWh, face aos 21,8 do segundo semestre de 2019.

No que respeita aos preços do gás para uso doméstico, Portugal registou o terceiro maior aumento (0,9%), de 7,7 euros para 7,8 euros por kWh, depois da Alemanha (5,4%) e da Holanda (4,7%), puxado pela subida do custo da energia e também dos impostos.

As maiores descidas nos preços do gás doméstico foram observadas na Lituânia (-27,3%), seguida da Bulgária (-21,2%) e da Letónia (-20,2%).

Os preços médios do gás doméstico no segundo semestre de 2020 mais baixos registaram-se na Letónia (2,8 euros por 100 kWh), Lituânia (3,0 euros) e Hungria (3,1 euros) e os mais altos na Holanda (10,1 euros), Itália (9,0 euros) e Espanha (8,9 euros).