Economia

Galp. Refinaria de Matosinhos pára totalmente no final do mês

Previsões iniciais apontam para uma poupança anual de 90 milhões de euros com o encerramento. 

A refinaria de Matosinhos deverá parar totalmente no final de abril, arrancando a partir daí as operações de desmantelamento e mantendo-se as previsões iniciais de uma poupança anual de 90 milhões de euros com o encerramento. 

“A descontaminação será mais tarde e, portanto, do ponto de vista de geração de cashflow, este é um processo que vai demorar muito, muito tempo, mas sem diferenças face aos números previstos”, afirmou o diretor financeiro (CFO) da Galp, Filipe Crisóstomo, durante a apresentação dos resultados do primeiro trimestre da petrolífera.

No entender do responsável, trata-se de um “número histórico”, uma vez que inclui cerca de 60 milhões de euros de poupanças em despesas operacionais e 30 milhões de euros em despesas de capital recorrentes.

Recorde-se que o fecho da refinaria foi anunciado no final do ano passado e a petrolífera justificou a decisão com as “alterações estruturais dos padrões de consumo de produtos petrolíferos motivados pelo contexto regulatório e pelo contexto covid-19”, que “originaram um impacto significativo nas atividades industriais de downstreaming”, assegurando que “o aprovisionamento e a distribuição de combustíveis no país não serão impactados por esta decisão”.