Economia

Montepio. Mutualista aprova mudanças no regulamento eleitoral

O regulamento eleitoral trouxe algumas mudanças: votos passam a realizar-se online e o Conselho de Administração perdeu a exclusividade da Lista A.


Os associados da Associação Mutualista Montepio Geral, estiveram reunidos na noite de quarta-feira, no auditório da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa, e acabaram por aprovar, por unanimidade, em sede de Assembleia Geral - Sessão Extraordinária, a proposta final de regulamento eleitoral.

A votação levou a várias alterações de fundo como é o caso de o Conselho de Administração ter perdido a exclusividade da Lista A e as letras passam agora a ser atribuídas às listas que se candidatarem a órgãos sociais por sorteio.

Dos restantes pontos, a maior parte das propostas apresentadas pelo advogado Luís Rolo foram incorporadas na proposta original da Comissão do Regulamento Eleitoral.

Na assembleia foi igualmente aprovada a subvenção de 60 salários mínimos nacionais às candidaturas para o conselho de administração e conselho fiscal e a Assembleia Geral assegurou ainda que vai haver votação de todos os associados no site da Associação Mutualista, Montepio.org. O i sabe que esta decisão cria algum mal estar uma vez que se considera que este processo é um ato pouco transparente.

Também o acesso às listas candidatas passa a ser do conhecimento de todos logo que sejam entregues.

Além disso, os associados presentes levaram a que a comissão do Regulamento Eleitoral fosse obrigada a incorporar um conjunto de mais de 10 alterações na proposta original.

Nesta assembleia geral participaram mais de 300 associados e, à meia-noite, Virgílio Lima pediu a suspensão dos trabalhos porque a discussão do Regulamento Eleitoral ocupou toda a sessão, tendo sido votado apenas o ponto 2. O que significa que ficaram vários pontos por tratar, como é o caso do plano de orçamento e atividades para este ano ou as contas de 2020, que apuraram prejuízos de 18 milhões de euros. 

No entanto, está já marcada uma terceira reunião com os associados para o próximo dia 9 de junho para que sejam discutidos estes dois pontos.

O i sabe ainda que, pela primeira vez, a Assembleia Geral não votou ao lado do Conselho, como acontecia habitualmente com Tomás Correia. Além disso, foi notada a divisão de votos no próprio Conselho de Administração que não votou de forma coesa em muitos pontos de apreciação.

Recorde-se que a Associação Mutualista vai a votos em dezembro. Virgílio Lima vai apresentar uma candidatura e até já conta com uma equipa para um novo mandato de quatro anos.