Economia

Novo Banco. Pedidos de capital podem ir de 222 a 351 milhões de euros

Centeno já disse acreditar que as chamadas de capital depois de 2021 “são muito pouco prováveis”.


O Novo Banco estima que o pedido de capital ao Fundo de Resolução (FdR) relativo a 2021 possa ficar entre os 222 milhões de euros e os 351 milhões, segundo um relatório a que a Lusa teve acesso. De acordo com o documento, estes 222 milhões de euros incorporam os 166 milhões de euros “relativos à provisão para a alienação da sucursal em Espanha”, cuja concretização “é estimada pelo Novo Banco para o terceiro trimestre de 2021”.

Neste primeiro cenário, em 2022 e 2023 “não são esperadas novas calls, na medida em que os resultados (e outras variações nos capitais próprios) decorrentes da atividade do Novo Banco são suficientes” para atingir os rácios de capital acordados de 12%.

“Já no cenário de não aplicação do regime prudencial transitório dos impactos da IFRS9, ou seja, com decisão favorável ao Novo Banco nos processos de arbitragem em curso (desfecho em 2021 para a componente ‘estática’ e em 2022 para a componente ‘dinâmica’), são estimadas calls em 2021 e 2022, nos montantes de 351 milhões de euros e 58 milhões de euros, respetivamente”,  diz o documento.

O texto refere ainda que quanto às contas de 2022, a estimativa será nula “no cenário de decisão favorável ao FdR [Fundo de Resolução] no processo de arbitragem em curso relativo à componente ‘dinâmica’”, que opõe as duas partes.

Mas deixa um alerta: “Importa salientar que estas estimativas estão naturalmente sujeitas a incerteza”, refere a comissão de acompanhamento, elencando fatores que podem ter impacto como “desvios nos resultados e em reservas de reavaliação” devido à pandemia de covid-19 e ao fim das moratórias ou a libertação de ativos ponderados pelo risco “aquando da alienação de exposições a fundos de reestruturação” e ainda “potenciais perdas adicionais na exposição ao Banco Económico”, a entidade angolana que sucedeu ao BESA.

Recorde-se que António Ramalho na última audição disse que que o banco pode vir a pedir uma nova capitalização ao Fundo de Resolução referente às contas deste ano de mais de 100 milhões de euros. “Num cenário de 430 milhões de euros [de injeção de capital] este ano, isso pode acontecer. Seria na volta dos cento e qualquer coisa milhões de euros que eventualmente poderia surgir”, afirmou, durante a audição na Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução.

Um cenário que já foi afastado pelo governador do Banco de Portugal ao admitir que as chamadas de capital do Novo Banco depois de 2021 “são muito pouco prováveis”. Também esta quarta-feira, João Leão disse esperar que “não haja mais chamadas de capital” do Novo Banco, defendendo que a gestão da instituição se deve focar em manter os resultados positivos do primeiro trimestre.