Sociedade

Maçon que quer fundar loja mista foi suspenso do GOL

David Martins, “o maçon mais velho de Leiria”, propôs a criação de uma loja maçónica mista. O Grande Oriente Lusitano não gostou.

DR  


A maçonaria voltou a estar na ordem do dia nas últimas semanas. E não é só por causa do diploma do PSD que exige que os políticos maçons declarem a sua pertença a associações e organizações como a maçonaria. Em Leiria, uma nova polémica está a agitar a organização. David Martins, que se autointitula “o mais antigo maçon de Leiria e o quinto do distrito”, foi suspenso do Grande Oriente Lusitano, após ter avançado com a proposta de criação de uma loja maçónica no concelho – a oitava –, que aceitaria homens e mulheres.

A notícia é do Jornal de Leiria, que afirma que o grão-mestre Fernando Lima acusou David Martins “de grave delito maçónico”, por ter “transgredido as leis internas daquela organização secular, ao apoiar e fomentar o aparecimento da referida Loja Maçónica, sem autorização do Grande Oriente Lusitano”. Ainda assim, o maçon leiriense, que pertence a uma loja do GOL, e que define este como sendo “a mais antiga potência maçónica portuguesa, da família liberal e adogmática da maçonaria”, diz não perceber a razão por trás da sua suspensão e possível expulsão. “Não precisava de ter qualquer autorização, pois a nova loja, quando surgir, integrará homens e mulheres e, portanto, surgirá sob os auspícios de outra potência maçónica, a Grande Loja Simbólica da Lusitânia, via mista”, explicou Martins ao jornal regional. O maçon mostrou-se frustrado pelo facto de o GOL não aceitar a iniciação de mulheres na sua organização e não nega ter transgredido essas leis, reconhecendo ainda estar filiado, simultaneamente, nas duas organizações, algo que, garante, fez “conscientemente”.

Ao i, David Martins começa por confirmar que o decreto de suspensão, assinado por Fernando Lima, deu efetivamente entrada nos tribunais maçónicos, onde o mesmo poderá ainda recorrer. Ainda assim, o maçon leiriense mostra-se otimista: “Acredito nas pessoas do Grande Tribunal Maçónico, que sabem que não cometi nenhum delito e tenho o direito de livre associação e de lutar pela paridade de género em todos os setores”, defende, antes de acusar o GOL de, não deixando os seus integrantes avançar com a iniciação de mulheres, estar também a “proibir que as pessoas fossem procurar outras organizações que permitissem isso mesmo”.

David Martins não exclui a possibilidade de expulsão do GOL, mas não se mostra preocupado. “Tenho 76 anos, dos quais 40 como maçon, portanto [a expulsão] não teria efeitos nenhuns. Não me aquece nem me arrefece. Não me faz diferença”, revela, garantindo continuar com a vontade de abrir a nova loja maçónica mista em Leiria sob o abrigo da Grande Loja Simbólica da Lusitânia. Recorde-se que David Martins, sabe o i, já fez parte da Maçonaria Regular.

“Não sei se havendo um plebiscito interno as coisas mudariam, mas não é assim que funciona no GOL. É através da Assembleia Magna, onde há uma grande corrente conservadora”, lamenta ainda o maçon, referindo-se à possibilidade de o GOL passar a aceitar a iniciação de mulheres nas suas estruturas.

O grão-mestre Fernando Lima não respondeu às tentativas de contacto do jornal i.

 

A oitava loja leiriense

Toda a polémica em torno de David Martins começou quando anunciou a abertura da oitava loja maçónica em Leiria – a primeira a incluir homens e mulheres. Loja Isabel de Aragão será o nome da mesma, em homenagem à Rainha Santa, esposa de D. Dinis. Na altura do anúncio, em julho deste ano, o Jornal de Leiria avançava que a loja realizaria a cerimónia de “levantar colunas” (fundação) em setembro ou outubro deste ano.