Internacional

12 milhões de doses da vacina Coronavac suspendidas pelo regulador brasileiro

Cerca de 25 lotes com 12,1 milhões de doses daquela vacina foram embaladas numa fábrica chinesa não aprovada pelo regulador brasileiro. 


A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) do Brasil suspendeu 25 lotes com 12,1 milhões de doses da vacina Coronavac contra a covid-19, por ter sido embalada numa fábrica chinesa não aprovada pelo regulador brasileiro.

A Anvisa foi notificada pelo Instituto Butantan, entidade do estado de São Paulo responsável pela importação local da vacina. Após o alerta, o regulador anunciou a “interdição cautelar” dos lotes e a “proibição de distribuição”.

"A unidade fabril responsável pela embalagem não foi inspecionada e aprovada pela Anvisa quando entregou a autorização para o uso de caráter de emergência da referida vacina" do laboratório chinês Sinova, explicou o órgão regulador.

Já outros 17 lotes embalados na mesma unidade, com nove milhões de doses, estão “em tramitação de envio para o Brasil”, adiantou a Anvisa.

A decisão de suspender os lotes foi tomada “com a intenção de evitar um possível risco sanitário iminente” para a população, frisou o regulador.

De realçar que a vacina Coronavac, do laboratório Sinovac, é produzida na China e no Brasil. Foi a primeira a ser administrada no país, através do Instituto Butantan, na campanha de vacinação, iniciada a 17 de janeiro. Porém, esta vacina tem a autorização de uso emergência e não permanente, como as vacinas Pfizer-BioNTech, AstraZeneca e a Janssen.

Brasil acumula quase 21 milhões de casos de covid-19 confirmados e cerca de 583 mil mortes associadas ao vírus.