Sociedade

Loja online coloca correios portugueses ao nível da Síria e Iémen

Habitualmente, os Açores e a Madeira são discriminados naquilo que diz respeito às entregas internacionais, mas a australiana Healthish não expede para todo o país, considerando que não se pode confiar nos correios.


Uma loja online de artigos “sustentáveis” não envia encomendas para Portugal, por considerar que os serviços postais não são de confiança. Portugal é colocado pela empresa australiana Healthish ao nível de países como México, Guatemala, África do Sul, Coreia do Norte, Síria, Yémen e Afeganistão, sendo a justificação de que os serviços postais destes países não são neste momento “confiáveis”.

A informação foi exposta nos últimos dias por utilizadores portugueses no Reddit e confirmada pelo i no site da empresa sediada na cidade de Melbourne, que vende garrafas reutilizáveis e acessórios e diz ambicionar “criar produtos que ajudem a abraçar um estilo de vida saudável”. “É algo que vivemos e respiramos todos os dias para ajudá-lo”, realçam no site oficial.

O i tentou contactar a empresa para perceber o que motivou à inclusão de Portugal nesta lista de países, mas não teve resposta até ao fecho desta edição. A empresa diz que utiliza os serviços da DHL.

A situação foi partilhada numa discussão sobre problemas com encomendas, que têm vindo a público com mais frequência nos últimos meses. Segundo o Expresso, atualmente os CTT têm meio milhão de encomendas em armazém e garantem que desde 1 de julho, já trataram mais de 450 mil encomendas que chegam de fora da União Europeia (UE).

Pesquisando por outros sites, não é comum encontrar uma exclusão deste género, mas há outras que têm dado que falar. Os casos mais conhecidos são de marcas que não expedem encomendas para os arquipélagos dos Açores e da Madeira – como a Lego – e, no início de setembro, numa intervenção na Assembleia da República, o deputado social-democrata, Paulo Neves, considerou “injusto e inaceitável” que os portugueses que lá residem não tenham acesso à totalidade do comércio eletrónico.

Em audição a uma nova administradora da ANACOM, Neves lembrou que existe um princípio da “Continuidade Territorial” que deve ser respeitado naquilo que diz respeito às comunicações realizadas via aérea e marítima, mas igualmente naquelas que decorrem em ambiente virtual.

4,8 milhões de portugueses compram online Mais de 4,8 milhões de portugueses – 56,8% do universo de indivíduos com mais de 15 anos e residentes em Portugal continental – são adeptos das compras online e, destes, 12,1% fazem compras pelo menos uma vez por semana e 42% adquirem produtos online pelo menos uma vez por mês. Esta informação foi veiculada, no final de julho, pelo Barómetro E-Commerce, da Marktest.

Se por um lado a UberEats, a Aliexpress e o Continente são as lojas online mais citadas pelos portugueses, a Wish, seguida pela Aliexpress e pelo eBay são aquelas que geram o maior nível de insatisfação, de acordo com o inquérito levado a cabo entre março e maio de 2021 através de entrevistas a 2.262 indivíduos.

Por outro lado, as lojas da Decathlon, da Wook e da Amazon, da Fnac e da Zippy alcançam o melhor índice de satisfação por parte dos consumidores. “Com ligeiras oscilações na avaliação consoante o género dos inquiridos: entre as mulheres o Top 3 é preenchido por Zara, Wook, Decathlon e Fnac (ex-aqueo), enquanto os homens elogiam mais a Decathlon, a Amazon e a Bertrand”, informa a Marktest.

Contudo, meses antes, segundo dados revelados, em janeiro, pela Revolut, e recolhidos entre 1 de março e 31 de dezembro de 2020, os portugueses gastaram mais do triplo em sites de comércio eletrónico internacionais do que nos domésticos. Apesar disto, sabe-se que o comércio eletrónico em páginas nacionais registou cresceu substancialmente com gastos três vezes superiores em marcas nacionais quando comparados com igual período do ano anterior.

A aplicação financeira com sede no Reino Unido, que conta com mais de 500 mil utilizadores em território nacional e mais de 13 milhões a nível global, avança que estes consumidores conseguiram poupar mais dinheiro, tendo a 31 de dezembro de 2020 o dobro do valor que tinham guardado a 1 de março de 2020.

O potencial da morada virtual internacional Uma das hipóteses dos consumidores perante empresas que não expedem para Portugal é criar uma morada virtual internacional, o que no caso da Healthish não funcionaria, uma vez que a Oceania ainda não está integrada no serviço de criação de morada virtual internacional dos CTT. Mas se anda a questionar-se acerca das formas possíveis para que compras oriundas dos EUA, de Espanha e de França cheguem até si, esta pode ser uma boa escolha.

Em termos simples, este serviço permite que crie uma morada virtual internacional nos países anteriormente mencionados e, depois de ativar a conta, é gerada uma morada virtual unicamente para si, que deverá definir como a de entrega quando fizer a sua encomenda. De seguida, a loja enviará a compra para esse endereço e os CTT transportá-la-ão até à sua casa ou ao Ponto CTT que selecionou previamente.

O preço é a soma de dois valores distintos – um fixo e um variável que depende do peso dos objetos –, sendo que não permite o envio de vários produtos na mesma encomenda, tendo em conta que cada um tem de corresponder a uma embalagem e a uma encomenda.

O prazo de entrega depende do país de origem da sua compra. Pode usar cartão de crédito Visa ou Mastercard para realizar o pagamento correspondente. Até agora, no Portal da Queixa, esta modalidade recebeu 13 reclamações. Destas, 10 foram resolvidas.