Economia

Bancos emprestaram 1331 milhões para a compra de casa em setembro

No total, os bancos concederam 1.995 milhões de euros em novos empréstimos aos particulares, em setembro, face aos 1.861 milhões de euros de agosto.


Os bancos concederam 1.995 milhões de euros de novos empréstimos aos particulares, em setembro. Deste total,  cerca de 1331 milhões de euros foram facultados para a compra de casa, revelam os dados divulgados pelo Banco de Portugal.

Segundo os dados divulgados esta quarta-feira, ainda no mesmo mês em análise, enquanto os montantes de novos empréstimos ao consumo e outros fins têm assumido valores relativamente estáveis, os novos empréstimos à habitação têm registado uma tendência de crescimento.

Entre janeiro e setembro de 2021, os novos empréstimos à habitação representavam, em média, 68% do total dos novos empréstimos a particulares (um peso próximo ao observado em 2007), lê-se no mesmo documento.

No total, os bancos concederam 1.995 milhões de euros em novos empréstimos aos particulares, em setembro, face aos 1.861 milhões de euros de agosto.

Em relação à taxa de juro destes empréstimos permaneceu em valores historicamente baixos, fixando-se, pelo terceiro mês consecutivo, em 0,8%. No crédito ao consumo, a taxa de juro média foi de 6,51%.

Por outro lado, em setembro, "o montante de novos empréstimos concedidos pelos bancos às empresas aumentou 239 milhões de euros, para 2.256 milhões, dos quais 60% corresponderam a empréstimos de montante igual ou inferior a um milhão de euros", salientou o BdP.

Segundo o banco central, "a taxa de juro média dos novos empréstimos a empresas manteve-se em níveis historicamente baixos: 2,03% em setembro, valor acima do registado em agosto de 2021 (1,91%) e em setembro do ano passado (2,00%)."

"A análise por classe de montante mostra que a taxa de juro dos novos empréstimos de montante inferior ou igual a um milhão de euros se manteve em 2,22% e a taxa de juro dos empréstimos de montante superior a um milhão de euros subiu para 1,76%", acrescentou.