Brasil Presente

Progredindo na confusão

Lamentável que um país das dimensões do Brasil, em meio às graves consequências económicas e sociais da pandemia, tenha uma pauta voltada para a política menor.


Por Aristóteles Drummond

Lamentável que um país das dimensões do Brasil, em meio às graves consequências económicas e sociais da pandemia, tenha uma pauta voltada para a política menor. A semana foi toda dedicada a acelerar a votação de um extra teto no Orçamento do Estado de 15 mil milhões de euros equivalentes. E vai até a semana que vem, com a votação no Senado. Também voltou a crise entre o Presidente e o Judiciário, pois uma decisão monocrática do Supremo cancelou a liberação de verbas pedidas por parlamentares que votam as propostas do Governo. A imprensa noticia ainda um possível escândalo envolvendo um ministro do Supremo, que teria um resort no interior de São Paulo em nome de um irmão, que é padre e tem 80 anos. Este, que é cónego, pediu licença de sua paróquia. Esta instabilidade afeta os mercados financeiros.

A inflação preocupa e o governo diminuiu impostos para a importação de centenas de produtos, pensando, assim, em baixar os preços.

Mas boas notícias sobrevivem, como o leilão do 5G, que foi um sucesso, com as três principais operadoras ficando com os maiores lotes, a TIM, italiana, a VIVO, espanhola, e a CLARO, mexicana. O empresário Nelson Tanure, que já controla empresas de internet relevantes no sul do país, ganhou lotes rurais e pode ter sua atuação em quase a metade do país, tornando-se um player relevante, o único de capital nacional.

Também a WW anunciou investimento de um mil milhões de euros na América Latina, a maior parte para o Brasil, onde possui quatro fábricas. A Argentina tem duas. E o imobiliário forte, deslocado agora para as classes médias. No Rio, são muitos os lançamentos de unidades muito pequenas, de 35 a 60 metros quadrados, próximo ao centro da cidade. Os bancos apresentaram bons resultados no trimestre, mas a inadimplencia aumentou e preocupa. Para crescer, entretanto, o que não ocorre há quinze anos, o país precisa de poupança interna, investimentos e controle da divida pública.

VARIEDADES

• Com quase 60% da população vacinada, a pandemia continua a ceder. Mas com capacidade para vacinar até dois milhões de pessoas por dia, ainda faltam vacinas disponíveis para atender a demanda. Mas a vida começa a voltar à normalidade, com escolas abertas, comércio retomando sua plenitude.

• Numa operação articulada entre a polícias de Minas Gerais e a Federal, uma organização criminosa foi desfeita, com a apreensão de armas pesadas, muita munição, veículos roubados para participarem de grandes assaltos. No embate, 25 marginais morreram. Todos com antecedentes criminais. Mas o partido mais à esquerda, o PSOL, quer apurar o motivo de nenhum policial ter sido morto pelos bandidos. Inacreditável!

• Na área de combate ao tráfico, nunca se apreendeu e queimou tanta droga no Brasil. A rota de embarque para os EUA e Europa está se deslocando para a Venezuela.
• A reunião de Glasgow falou muito na questão da Amazónia, desmatamento e incêndios. Mas o Brasil polui menos do que a Alemanha, por exemplo. E tem uso insignificante do carvão na energia, nos dois estados mais ao sul. 

• As eleições na Academia Brasileira são decididas por um pequeno grupo controlador. Fernanda Montenegro, atriz de 92 anos, mulher e mãe de notáveis no teatro, concorreu sozinha e foi eleita. As demais vagas também não devem de ter mais de um concorrente relevante.

• Teve inicio na ultima segunda feira, 7, a novela que marca a volta de textos inéditos na Globo, Um Lugar ao Sol. No elenco a veterana Marieta Severo. O sexo na terceira idade presente. A Rede Globo continua demitindo grandes atrações de seu quadro. Agora só é contratado quem for figurar na novela.
 
• O Vasco da Gama, ao ser derrotado pelo Botafogo, viu frustrada sua volta ao grupo de elite do futebol brasileiro. Mas sua torcida ainda é a segunda, e claro que reúne a maioria das famílias portuguesas.
 
• Esteve em visita a família Orleans e Bragança no Rio, onde foi ao casamento do filho de um primo, e São Paulo o senador francês Louis-Jean de Nicolay, Orleans e Bragança por parte de mãe, D Pia, neta da princesa Isabel.