Vida

Maria Vieira regressa ao Facebook com críticas a Simone de Oliveira: "Desfolhada de hipocrisia"

Humorista deixou duras críticas à cantora. 


Depois de 30 dias bloqueada no Facebook, Maria Vieira voltou à rede social e com novas críticas: desta vez a visada foi Simone de Oliveira, pelas declarações que fez recentemente numa entrevista acerca dos “negacionistas” e “extremistas”.

“Durante os 30 dias em que estive bloqueada, muita coisa parva, alucinada e bizarra aconteceu, como de resto é cada vez mais frequente, mas estas declarações inenarráveis da cantadeira esquerdista - Simone de Oliveira - terão ficado na memória de muita gente como o ‘Maior Disparate do Mês’”, começou por escrever a humorista, esta quarta-feira.

“Disse a referida cantadeira que por vontade dela colocaria aqueles que entende denominar como ‘negacionistas’ e ‘extremistas’, ‘na prisão de Caxias, sem comer nem nada, que é para eles saberem o que é viver num regime sem liberdade’ (…) Ou seja, a cantadeira esquerdista - Simone de Oliveira - que supostamente despreza e combate a censura, a repressão e a falta de liberdade, acha que se deve censurar, reprimir e prender todos aqueles que não pensam como ela”, acrescentou.

“Fica assim mais uma vez provado que estes artistas da Esquerda Fofinha, Tolerante, Igualitária e Solidária, formam a grande ‘Desfolhada’ de hipocrisia, de mentira e de oportunismo que vem sufocando Portugal há já 47 longos e penosos anos! E pensar que ainda tem gente que se deixa enganar por esta gente”, completou, referindo-se à canção ‘Desfolhada’ de Simone de Oliveira.

Recorde-se que em causa está uma entrevista da cantora à revista Gerador. “Punha-os [aos negacionistas e extremistas] todos no Alentejo a cavar, ao sol. E pronto”, disse o ícone da cultura portuguesa. Já sobre o que diria aos saudosistas de Salazar, “que por vezes aparecem”, Simone de Oliveira afirmou que os chamava de “parvos” e “punha-os a fazer o que a PIDE fazia”. “Punha-os na prisão. Vão para Caxias, um mês ou dois, ali com o mar a dar, sem comer nem nada, que é para saberem o que é”, indicou.