Sociedade

Sociedade Portuguesa de Pediatria diz que é seguro vacinar crianças entre os 5 e os 11 anos contra a covid-19

Contudo, a SPP defende que a Direção-Geral da Saúde deve considerar no momento da decisão outros dados, como a prevalência da infeção nas crianças. 


É seguro as crianças entre os 5 e os 11 anos receberem as vacinas desenvolvidas contra a covid-19, disse a Sociedade Portuguesa de Pediatria (SPP), esta terça-feira, defendendo ainda que a decisão de vacinar deve considerar outros dados, como a prevalência da infeção nas crianças. 

"A vacinação contra SARS-CoV-2 foi avaliada num ensaio clínico em crianças dos 5 aos 11 anos de idade, no qual foram vacinadas 1.517 crianças. Os resultados mostraram que é segura e eficaz contra a covid-19, tal como noutros grupos etários", anunciou a SPP, num parecer, que ainda acrescenta que "felizmente, continuam a ser raros os casos graves que obrigam a internamento ou admissão em unidades de cuidados intensivos", ocorrendo estes "maioritariamente em crianças com fatores de risco".

No entanto, as crianças "têm sido fortemente prejudicadas na pandemia devido aos confinamentos sucessivos, que afetam seriamente a sua aprendizagem e saúde mental e aumentam o risco de pobreza e de maus-tratos", sublinhou a SPP, reforçando que a eficácia da vacina neste grupo etário poderá "permitir trazer normalidade à vida das crianças".

"A vacinação dos 5 aos 11 anos está a ser avaliada pela comissão técnica da DGS, que tem acesso aos dados em tempo real sobre o número de casos por grupo etário, os surtos nas escolas e ambiente familiar e a seroprevalência neste grupo etário. Na decisão irá certamente pesar a disponibilidade das vacinas no nosso país, bem como a premência de fazer doses de reforço aos adultos de maior risco", apontou.