Economia

27 Aldeias do Xisto ligadas por fibra ótica da Altice Portugal

A Altice Portugal vai alargar a cobertura da  fibra ótica a 14 Aldeias do Xisto até ao final do ano. O projeto abrangerá todas até 2023.

27 Aldeias do Xisto ligadas por fibra ótica da Altice Portugal

A Altice Portugal e a ADXTUR – Agência para o Desenvolvimento Turístico das Aldeias do Xisto assinaram, no passado dia 18 de novembro, um protocolo que prevê o alargamento da cobertura de fibra ótica e rede móvel nas Aldeias do Xisto, que vai ligar as 27 aldeias dos 16 concelhos, num investimento inédito de vários milhões de euros.
 O projeto, que abrange 14 aldeias até final deste ano, estará completo em 2023 e inclui ainda a instalação de 11 estações móveis, assegurando a cobertura das redes 4G e 5G.

Assim, as 27 aldeias que compõem a rede das Aldeias do Xisto – Benfeita, Vila Cova de Alva, Martim Branco, Sarzedas, Sobral de S. Miguel, Casal de São Simão, Barroca, Janeiro de Cima, Aigra Nova, Aigra Velha, Comareira, Pena, Candal, Casal Novo, Cerdeira, Chiqueiro, Talasnal, Gondramaz, Álvaro, Aldeia das Dez, Fajão, Janeiro de Baixo, Ferraria de São João, Pedrogão Pequeno, Figueira, Água Formosa, Mosteiro – vão poder contar com uma cobertura de fibra ótica idêntica às das áreas metropolitanas de Lisboa ou do Porto.

Tendo em vista reforçar a proximidade, a Altice Portugal considera que este é «um verdadeiro projeto de interesse público», que irá potenciar «a criação de valor nestes territórios e na região como um todo», bem como irá consolidar a sua estratégia e ação na sua relação com estas regiões, promovendo «o desenvolvimento económico sustentado e o aumento da competitividade».

Em comunicado, a empresa de telecomunicações salienta que, com este investimento, irá combater a desertificação e as desigualdades territoriais, sendo que «as populações destas 27 aldeias ganham novos horizontes e novas possibilidades» e «as autoestradas da informação, até ao momento escassas, ganham novas vias e novas velocidades». 

Deste modo, reitera, «os cidadãos, jovens, adultos e idosos, passam a usufruir de tecnologia e infraestruturas que facilitam a diversidade de comunicações» e as relações empresariais e comerciais, sejam provenientes de pequenas, médias e grandes empresas, «passam a deter outros contornos com a abertura de acesso global».
«A partir deste momento estas povoações vão experienciar e viver na primeira pessoa a conectividade de última geração. Primeiro entre si, entre territórios vizinhos, depois para o mundo», lê-se na mesma nota.

O projeto de infraestruturação da Altice Portugal foi apresentado na cidade do Fundão e contou com a presença de Alexandre Fonseca, Presidente Executivo da Altice Portugal e Paulo Fernandes, Presidente da ADXTUR.
«Hoje, a tecnologia é uma infraestrutura básica para podermos comunicar e criar ainda mais valor a partir deste território que são as Aldeias do Xisto», considerou o presidente da ADXTUR.

«O projeto das Aldeias do Xisto começou com pouco mais de meia dúzia de parceiros», recordou Paulo Fernandes, acrescentando que «muito se trabalhou para estimular a autoestima das comunidades e o espírito de rede». Um trabalho que se materializou «na afirmação de uma das marcas mais improváveis, mas também mais especializadas na relação simbiótica entre natureza e comunidades. Os elos de comunicação mais orgânicos estão criados, mas precisamos da camada da conectividade para que todos os que querem estar, viver e trabalhar nas Aldeias do Xisto o possam fazer cada vez mais», sublinhou. 

O líder da ADXTUR reconheceu ainda o desafio que se segue, tendo em conta que «é um dos territórios mais interiores e complexos do ponto de vista orográfico». Contudo, não duvida que será cumprido. 
Salientou também que a parceria estabelecida com a Altice Portugal não se limita à questão das infraestruturas e que as Aldeias do Xisto são um «laboratório vivo» e reúnem «um conjunto endógeno de ativos, recursos e potencial para chegar mais longe».

Por essa razão, o protocolo prevê que a ADXTUR e a Altice Portugal colaborem para encontrar «novas formas de prototipar serviços, criando mais valor em torno destes recursos» e alterando «a perceção de valor de uma zona do país que ainda tem muito para oferecer», referiu.
Por seu lado, Alexandre Fonseca, presidente executivo da Altice Portugal, considerou que «este investimento será mais uma das alavancas fundamentais para a excelência no turismo destas aldeias e desta região».
«Nenhum de nós tem dúvidas: o futuro é digital», disse o responsável, acrescentando que a aposta na tecnologia é decisiva para a «captação de investimento. E quando captamos investimento, criamos emprego e quando criamos emprego estamos a fixar população e desenvolvemos as economias regionais».

Os comentários estão desactivados.