Desporto

Dakar 2022. Elétricos do deserto

O Dakar é considerado a última grande aventura dos tempos modernos. Durante duas semanas, pilotos de automóveis, motos e camiões vão enfrentar as assustadoras dunas do deserto saudita num total de 8300 quilómetros. Os portugueses marcam naturalmente presença.


O primeiro dia do ano marca o início daquela que é considerada a maior e a mais difícil corrida do mundo. A edição de 2022 faz parte do campeonato do Mundo de Cross-Country e regista o aparecimento de energias alternativas, o Dakar Future está em marcha. A prova disputa-se na Arábia Saudita, tem partida e chegada em Jeddah – a segunda maior cidade do reino, que recebe também a Fórmula 1 – é composta pelo prólogo e 12 etapas, algumas com mais de 800 quilómetros. Vai ser um festim de areia e dunas – o ADN do Dakar está de volta. 

David Castera, diretor de prova, considera que «o Dakar 2022 é um ponto de viragem com vista à transição energética. Queremos que, em 2030, a prova seja totalmente elétrica». As preocupações ecológicas levaram a organização a criar já este ano uma categoria destinada a veículos movidos a energias alternativas. Em relação ao percurso da aventura mais épica do ano, avisou: «Cerca de 70 por cento do traçado é novo, decidimos meter mais areia e dunas, e deixámos as zonas mais complicadas para o final. Cada dia será diferente. Velocidade, resistência e navegação serão determinantes, não há favoritos à partida». 

A organização pretende nivelar o andamento entre pilotos e só vai libertar o roadbook em cima da hora de partida para cada etapa. Até ao ano passado as grandes equipas tinham pessoas, os map men, que trabalhavam durante a noite para tentar descobrir o percurso e passar a informação aos navegadores.

Eletrizante 

A grande novidade é a presença da Audi o protótipo híbrido RS Q e-Tron. Depois de ter revolucionado os ralis nos anos 80 com o Audi Quattro, a marca alemã prepara-se para fazer o mesmo no Todo-o-Terreno. Os engenheiros, designers e pilotos começaram a preparar esta participação há um ano. O resultado é um espetacular carro híbrido que utiliza dois motores de Fórmula E e um motor de combustão interna do DTM que desenvolvem uma potência conjunta de 680 cv! Os responsáveis pelo projeto não têm dúvidas em afirmar que é o veículo de competição mais sofisticado desenvolvido pela Audi. 

Carlos Sainz, três vezes vencedor do Dakar, considera «a presença da Audi um desafio muito ambicioso já que utiliza um carro revolucionário, que exige um estilo de condução completamente diferente. Tenho um plano para ganhar com este carro. Nas dunas é bastante eficaz, só tenho que ser inteligente e adaptar a minha condução». 
Stéphane Peterhansel afirmou: «Este é o meu último desafio, se conseguir ganhar com um carro elétrico, então, terei feito tudo» disse o Sr. Dakar, que venceu a prova por 14 vezes! Mattias Ekström, ex-campeão do Mundo de Rallycross, é o terceiro piloto da Audi.

A Toyota alinha com as renovadas GR DKR Hilux T1+ com chassis tubular e carroçaria em fibra de carbono. Nasser Al-Attiyah quer vencer a prova pela quarta vez «os testes realizados em África correram muito bem. Fiquei impressionado com o novo carro, temos arma para ganhar» disse o piloto catari, que tem como colega de equipa outro vencedor da prova, Giniel de Villiers.

Os buggy da BRX (Bahrain Raid Xtreme) Hunter são conduzidos por Sébastian Loeb, nove vezes campeão do Mundo de Ralis, Nani Roma, vencedor do Dakar, e Orlando Terranova. Os protótipos 4x4 preparados pela Prodrive vão usar um combustível mais ecológico desenvolvido pela Coryton Advanced Fuels.

A X-Raid ganhou a edição anterior e vai alinhar com três Mini JCW Buggy e dois Mini JCW, mas ao contrário de anos anteriores não tem nenhum piloto de top, pelo que as hipóteses de repetir o sucesso são reduzidas. 
Destaque ainda para a presença de duas mulheres sauditas no Dakar 2022. Dania Uqail e Mashaal al-Obaidan obtiveram autorização para participar, o que é uma extraordinária vitória, já que as mulheres, na Arábia Saudita, estavam proibidas de conduzir veículos motorizados até 2018. 

Portugueses 

Dezanove pilotos vão representar as cores nacionais nas categorias: Auto, Moto e SSV. Miguel Barbosa volta ao Dakar passados 12 anos com a Toyota Hilux T1 acompanhado por Pedro Velosa e com a assistência da Overdrive. «É um projeto a médio prazo. Vamos um pouco a seco porque não conseguimos fazer a preparação que desejávamos. As expectativas têm de ser realistas, vai ser um ano de estudo a um percurso com muita areia e dunas.

A intenção é fazer quilómetros e acabar, se chegarmos ao fim ficaremos bem classificados com certeza. A navegação está cada vez mais difícil, não há muito tempo para pensar, e isso será outro desafio» referiu Miguel Barbosa, oito vezes campeão nacional de Todo-o-Terreno. 

Nas motos, destaque para a presença de Joaquim Rodrigues e Sebastian Bühler na equipa oficial da Hero e de Rui Gonçalves inscrito pela Sherco.

Motos 

Nas duas rodas, é grande a incerteza quanto ao vencedor. Os últimos cinco Dakar tiveram cinco vencedores diferentes, e todos eles vão estar presentes nesta edição. Kevin Benavides (KTM), vencedor em 2021, Matthias Walkner (KTM), atual campeão do Mundo de Cross-Country, e Ricky Brabec (Honda) são os pilotos a bater.

O Dakar 2022 pode ser acompanhado pelo canal desportivo Eurosport, que terá um resumo diário sobre a prova.

Os comentários estão desactivados.