Vida

Epstein pagou para calar alegada vítima do príncipe André

Virginia Giuffre, traficada por Epstein quando era jovem, terá recebido 500 mil dólares (cerca de 420 mil euros) para desistir do caso.


Um acordo confidencial de 2009 estabelecido entre Jeffrey Esptein e uma alegada vítima do príncipe André de Inglaterra, que terá sido abusada sexualmente por este, foi tornado público na segunda-feira. O documento revelou que Virginia Giuffre, traficada por Epstein quando era jovem, terá recebido 500 mil dólares (cerca de 420 mil euros) para desistir do caso e para não contactar ninguém relacionado com o mesmo.

Giuffre acusou Epstein e sua namorada Ghislaine Maxwell - recentemente condenada por tráfico de menores -  de, aos 17 anos, a terem forçado a ter relações sexuais com o príncipe André. Contudo, após consentir ao acordo, mantém o processo contra o filho de Isabel II.

As acusações contra o duque de Iorque foram apresentadas a 9 de agosto junto da justiça norte-americana.

“Exijo que o príncipe André responda pelo que fez comigo”, disse Giuffre na altura. “Os poderosos e ricos não estão isentos de serem responsabilizados pelas suas ações”, acrescentou.

A vítima, hoje com 38 anos, pede uma indenização por abuso sexual.

O príncipe André, de 61 anos, garante que é inocente e a defesa tem tentado usar o acordo, no qual o nome do duque não consta, para que o caso seja arquivado.

Segundo os advogados, o pacto também protege o filho de Isabel II, uma vez que uma das exigências para o pagamento da quantia acordada era não dar entrada com ações judiciais não só contra o milionário falecido, mas também contra outras figuras a quem este estivesse associado. 

No entanto, a defesa de Giuffre alega que essa proteção se limita àqueles que estão vinculados ao processo de Epstein seguido no Estado da Flórida, e que, por essa razão, o príncipe André não está protegido pelo acordo, uma vez que a acusação deu entrada num tribunal do Estado de Nova Iorque.