Economia

IGCP. Estado necessita de 10,9 milhões este ano

De acordo com o organismo, deste total, cerca de 17,7 mil milhões de euros serão obtidos “via emissão bruta de Obrigações de Tesouro, combinando sindicatos e leilões, assegurando emissões mensais”.


 O Estado deverá ter, em 2022, necessidades de financiamento líquidas de 10,9 mil milhões de euros, adiantou a Agência de Gestão de Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP).

De acordo com o organismo, deste total, cerca de 17,7 mil milhões de euros serão obtidos “via emissão bruta de Obrigações de Tesouro, combinando sindicatos e leilões, assegurando emissões mensais”.

"Os leilões de OT terão a participação dos Operadores Especializados de Valores do Tesouro (OEVT) e Operadores de Mercado Primário (OMP) e serão realizados à segunda ou quarta quartas-feiras de cada mês", informou a entidade, adiantando que "o montante indicativo e as linhas de OT a reabrir serão anunciados ao mercado até três dias úteis antes do leilão".

Por outro lado, no que diz respeito aos Bilhetes do Tesouro (BT), "em 2022, espera-se que o financiamento líquido resultante da emissão de BT produzirá impacto positivo de 3,0 mil milhões de euros".

"Será mantida a estratégia de emissão ao longo de toda a curva, combinando prazos curtos com prazos longos", sendo que "o IGCP manterá a realização de leilões mensais de BT na terceira quarta-feira de cada mês e, se a procura de investidores o justificar, pode usar também a primeira quarta-feira".

De acordo com a entidade, "o montante indicativo dos leilões continuará a ser anunciado ao mercado através de um intervalo. A decisão de alocação a cada série caberá ao IGCP em função da procura verificada e do respetivo preço".