Sociedade

Encontrado corpo de Amélie Battle Bastos, adolescente de 16 anos desaparecida no Porto

A menina sofria de depressão e terá saído de casa, na manhã de segunda-feira, com todos os medicamentos que lhe haviam sido prescritos.

Encontrado corpo de Amélie Battle Bastos, adolescente de 16 anos desaparecida no Porto

DR  


O cadáver da adolescente de 16 anos que desapareceu, no Porto, na manhã desta segunda-feira, foi encontrado ao final desta tarde por um popular e a família já terá identificado o corpo. Até agora, por ter ideação suicida, tudo indica que terá decidido pôr termo à vida e não foram revelados indícios da intervenção de terceiros. "Agradecemo-vos do fundo do coração toda a vossa dedicação na procura da Amélie" foi a mensagem publicada na página de Instagram "Looking for Amélie" pelas 20h17.

O apelo da mãe, Cristina Bastos, começou a circular nas redes sociais durante o dia de hoje. “A minha filha desapareceu ontem de manhã, 17 de janeiro, pelas 8h15, no Porto, zona do campo Campo Alegre, junto ao Colégio Alemão. Corre risco de suicídio, está há um ano em tratamento psiquiátrico de depressão”, escreveu, sendo que transmitiu a mensagem através do perfil suprarreferido que tem sido gerido por uma das amigas da menina.

“Levou todos os medicamentos, incluindo todos os calmantes que lhe receitaram para tomar só em caso de emergência. Deixou a chave de casa em casa, que não é costume. Despediu-se de mim de manhã de uma forma especial e tem o telemóvel desligado desde ontem à noite”, esclareceu a progenitora, descrevendo Amélia fisicamente para que quem leia a sua mensagem esteja atento: “tem cabelo castanho ondulado e comprido até meio das costas, olhos castanhos. 1.67cm e 43kg”.

Relativamente ao “casaco comprido preto de capuz”, às “calças de ganga claras” e às “botas (tipo Doc Martens mas sem cordões), sabe-se que correspondem à indumentária de Amélie, assim como a mochila encontrada na Praia da Luz.
Ainda que rumores acerca da sua eventual morte e posterior descoberta do corpo tenham sido veiculados antes de existir uma confirmação deste desfecho trágico, era possível ler “Não acreditamos em rumores. Acreditamos em fontes fidedignas. E no carinho que tanto estão a demonstrar com a imensa ajuda disponibilizada. Obrigada” no perfil anteriormente mencionado.

No Facebook, circulavam comentários como “Estive até agora no grupo de buscas. Desde a ponte D. Luís até Leça... quarteirões Foz e Matosinhos... Foi encontrada a 1km da Praia da Luz. A zona já está isolada”, porém, na página oficial do Corpo de Intervenção em Operações de Proteção e Socorro (CIOPS), vários utilizadores elucidaram que Amélie não teria sido encontrada, enquanto outros insistiram que a mãe de Amélie terá partilhado a novidade na sua página, algo que levou a associação sem fins lucrativos a questionar qual é o perfil de Cristina.

No Twitter, Kasia Tych, madrasta de Amélie, deixou claro que, para além de peças de roupa, também um chapéu foi encontrado na praia, sendo que prometeu continuar a partilhar atualizações do caso sempre que tivesse “novidades” ou “algo concreto” para transmitir.

Importa referir que as forças de segurança foram alertadas para o desaparecimento de Amélie ontem pelas 9h30, incluindo o departamento de investigação criminal da Polícia Judiciária.

 

Os comentários estão desactivados.