Sociedade

Jovem suspeito de preparar atentanto em Lisboa fica em prisão preventiva

Jovem de 18 anos ficou em silêncio perante a juíza de instrução criminal. 


O jovem, de 18 anos, suspeito de planear um atentado terrorista na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa ficou em prisão preventiva. Recorde-se que o suspeito, estudante de Engenharia Informática, chegou ao Campus da Justiça, em Lisboa, na manhã desta sexta-feira, para ser ouvido em primeiro interrogatório judicial, depois de ontem ter sido detido pela PJ. A juíza de instrução validou a indiciação por terrorismo e decretou a a medida de coação mais gravosa: prisão preventiva.

Nesta primeira sessão o jovem ter-se-á remetido ao silêncio.

Tal como i avançou esta sexta-feira, o jovem planeava um ataque contra os colegas da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e estava “viciado” em vídeos de massacres em escolas. Segundo apurou o jornal, junto de fonte próxima da investigação, havia um plano detalhado para atacar uma ala da faculdade, provocando uma chacina. O plano continha as horas do ataque e a localização. O suspeito não tem ligações a grupos extremistas radicalizados em Portugal, que são monitorizados pela Polícia Judiciária no combate ao terrorismo. Fonte da PJ indicou ao i que o jovem não estava sinalizado neste contexto nem teria motivações políticas ou religiosas. Trata-se de uma pessoa instável, com dificuldades de adaptação, cujas pretensões vão ser agora avaliadas, mas cuja vigilância nos últimos dias revelou perigo iminente.

O jovem estava na posse de várias armas brancas como facas de ponta e mola, catanas, uma besta com dardos e engenhos incendiários, apurou o i. Fonte oficial da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa confirmou que colaborou desde a primeira hora com as autoridades. 

Recorde-se que foi o FBI que alertou as autoridades portuguesas: em causa estava o “nickname” de um jovem em Portugal que vinha a consultar com “muita frequência” sites com conteúdos muito violentos”. 

Os comentários estão desactivados.