Internacional

Giuliani diz ter provas de que Hillary Clinton espiou Trump depois das eleições de 2016

"Podem pensar que é uma coisa sem sentido, mas é uma coisa sem sentido apoiada por cerca de mil ficheiros de evidências, nenhum dos quais foi ainda revelado”, disse o ex-advogado de Trump.


 A campanha de Hillary Clinton pagou a uma empresa para se "infiltrar" e, desta forma, espiar os servidores da Trump Tower e da Casa Branca após perder as eleições presidenciais de 2016, disse Rudy Giuliani, ex-advogado de Donald Trump, que afirma ter provas da ação. 

Recorde-se que, na sexta-feira passada, o advogado responsável pela investigação do FBI sobre uma alegada ligação entre o ex-Presidente dos Estados Unidos da América (EUA) e Rússia, durante a campanha eleitoral, John Durham, afirmou haver novas informações de que a democrata pagou a uma firma informática para se poder "infiltrar" nos servidores da Trump Tower e, posteriormente, da Casa Branca para criar uma ligação entre Trump e a Rússia.

“Não vos posso dizer exatamente como, mas eu sei que [Donald Trump] soube disso na altura. Há muito mais por vir”, disse Rudy Giuliani na Newsmax TV, referindo-se às evidências de John Durham.  “Podem pensar que é uma coisa sem sentido, mas é uma coisa sem sentido apoiada por cerca de mil ficheiros de evidências, nenhum dos quais foi ainda revelado”, frisou. "Mais: Aconteceu que eu as tenho no meu quarto, ou no meu ‘canto’, na verdade. Tenho-as lá há anos”, rematou.

Sublinhe-se que o dossier Trump-Rússia foi publicado pelo site BuzzFeed antes da tomada de posse de Donald Trump, em 2017, afirmando que Rússia tinha informações importantes sobre o na altura Presidente dos EUA.

Os comentários estão desactivados.