Economia

Combustíveis. Preços vendidos acima do valor de referência

O regulador disse também que consumo de combustíveis derivados de petróleo aumentou 82,48 quilotoneladas (kton), em junho, em termos homólogos, o que representa um acréscimo de 31,1%.

Combustíveis. Preços vendidos acima do valor de referência

A média dos preços nas gasolineiras ficou, na semana entre 8 e 14 de agosto, no caso da gasolina, 1,8 cêntimos e no gasóleo 2,2 cêntimos acima do preço médio semanal determinado pela ERSE, alertou a entidade reguladora.

Recorde-se que o preço eficiente “é um preço médio semanal determinado pela ERSE e resulta da soma das seguintes componentes: os preços dos combustíveis nos mercados internacionais de referência e os respetivos fretes marítimos, a logística primária, incluindo nesta parcela as reservas estratégicas e de segurança do Sistema Petrolífero Nacional, os sobrecustos com a incorporação de biocombustíveis e a componente de retalho acrescida dos impostos respetivos”. 


A ERSE indicou ainda que para esta semana (15 a 21 de agosto), “o Preço Eficiente antes de impostos é de 1,037 Euro/l para a gasolina 95 simples e de 1,124 Euro/l para o gasóleo simples”, sendo que “após impostos, o Preço Eficiente fica nos 1,838 Euro/l e nos 1,792 Euro/l, para a gasolina 95 simples e para o gasóleo simples, respetivamente”.

Consumo sobe 

O regulador disse também que consumo de combustíveis derivados de petróleo aumentou 82,48 quilotoneladas (kton), em junho, em termos homólogos, o que representa um acréscimo de 31,1%.

O aumento mais significativo verificou-se no consumo de combustível para aeronaves ('jet fuel'), com uma subida homóloga de 119,9%, seguindo-se a gasolina (+3,3%) e o gasóleo (+1,5%).

Apenas o consumo de gás de petróleo liquefeito (GPL) diminuiu 10,1%, em junho, face ao mesmo mês de 2021.

Comparativamente ao período homólogo de 2019, antes da pandemia de SARS-CoV-2, o consumo verificado em junho deste ano foi inferior, registando-se um decréscimo no GPL e no 'jet' (-4,4% em ambos), e no gasóleo (-3,4%) e apenas uma subida no caso da gasolina (+2,7%).

 

Os comentários estão desactivados.