Internacional

Pais de jovem iraniana morta sob custódia apresentam queixa contra as autoridades

Jovem de 22 anos morreu três dias depois de ter sido detida por "trajar roupas inadequadas". 


Os pais de Mahsa Amini, a jovem de 22 anos que morreu no Irão a 16 de setembro quando se encontrava há três dias detida, apresentaram queixa contra os polícias que detiveram a filha. 

A notícia foi avançada pelo advogado da família, Me Saleh Mikbakht, que pede "ao procurador-chefe e ao juiz de instrução para realizar uma investigação detalhada sobre como ocorreu a detenção, até que Mahsa fosse transferida para o hospital".

O mesmo exige às autoridades "todos os vídeos e fotos" disponíveis sobre o processo de intervenção policial.

Mikbakht adiantou ainda que a procuradoria iraniana já "prometeu que o caso será tratado minuciosamente e que todos os pedidos serão tidos em conta".

Recorde-se que Masha Amini foi presa dia 13 deste mês em Teerão, capital iraniana, por, segundo acusou a polícia dos costumes, "trajar roupas inadequadas".

Naquele país é obrigatório cobrir o cabelo em público, sendo que a autoridade fiscaliza também as mulheres que usam casacos curtos (ou seja, acima do joelho), calças justas e com buracos, além de roupas coloridas. 

A jovem morreu a 16 de setembro, três dias depois de ser detida num hospital, segundo reportou a televisão estatal e a família da vítima.

Os comentários estão desactivados.