Sociedade

Família a morar em tenda em Matosinhos recusou alojamento em centro de acolhimento

Mãe e filho estão a morar numa tenda desde setembro de 2022, depois de serem despejados


A mãe e o filho que estão a viver numa tenda na praia em Matosinhos "não cumprem os requisitos" para atribuição de uma casa municipal, adiantou esta quarta-feira a autarquia, acrescentou que estão a ser feitos "esforços para encontrar um quarto que a família consiga arrendar".

Amélia Ferreira, de 66 anos, e o filho, Daniel Tato, de 41, estão desde setembro do ano passado a dormir numa tenda, depois de terem sido despejados da casa onde residiam, em Gaia. 

Hoje, a Câmara Municipal de Matosinhos, confirmou que mãe e filho "efetuaram um pedido de habitação à Matosinhos Habit, mas não cumprem os requisitos necessários à atribuição de uma casa municipal, uma vez que não são residentes no concelho".

"Em Matosinhos existem regras para a atribuição de casas municipais e uma lista de espera que ultrapassa os 1000 pedidos, sendo que muitos também se encontram em situações precárias e urgentes", lê-se numa nota publicada na rede social Facebook. 

A autarquia liderada por Luísa Salgueiro informou ainda que "a família em questão efetuou um pedido também à GaiUrb, empresa municipal de Habitação de Vila Nova de Gaia - e está a ser acompanhada pelos serviços da Segurança Social de Gaia, sendo que não compareceram à primeira reunião agendada com a técnica responsável pelo seu processo".

Segundo a Câmara, a família "está a ser acompanhada desde setembro pelos serviços da ADEIMA - Associação para o Desenvolvimento Integrado de Matosinhos e, desde essa altura, recebe apoio alimentar e de higiene no Lar de Sant"Ana". Contudo, "foi-lhes proposto o realojamento temporário num centro de acolhimento social, solução que recusaram".

"A ADEIMA vai continuar a acompanhar o caso e a encetar esforços para encontrar um quarto que a família consiga arrendar enquanto aguarda por uma habitação", conclui a autarquia.

Os comentários estão desactivados.