Economia

FMI: Eleições vão aumentar “tentações populistas” do Governo

O FMI considera que o país deve fazer reformas estruturais para alavancar o crescimento, mas admite que o contexto pré-eleitoral em que Portugal vive dificulta o surgimento de consenso entre partidos para concretizar mudanças de fundo. No primeiro relatório de acompanhamento do país depois do final do programa de assistência financeira, a organização antecipa que as legislativas de Outubro vão aumentar a “tentação para políticas populistas”.

Com eleições a caminho, o Fundo classifica como um “desafio”  haver acordos consensos inter-partidários para reformas e critica o ‘relaxamento’ recente do Governo, com o aumento do salário mínimo, o alívio no IRS, a devolução de parte dos salários e pensões, entre outras medidas.

O FMI atribui o abrandamento do ímpeto reformista às eleições de Outubro. “Como já verificado nos últimos seis meses, o período pré-eleitoral não é propício para reformas corajosas, sendo de esperar um aumento da tentação para políticas populistas”, lê-se no relatório.

joao.madeira@sol.pt