Politica

Sócrates fez compras em Paris com cartão de crédito de Santos Silva

Na véspera de ser detido, José Sócrates ainda foi às compras na capital da moda a expensas do amigo Carlos Santos Silva. O Ministério Público (MP) reuniu provas de que, “a 20 de Novembro de 2014”, quando estava em Paris na companhia de Santos Silva e do advogado Gonçalo Trindade, o ex-primeiro-ministro fez “compras de roupa”, pagando a conta com um cartão de crédito do ex-administrador do Grupo Lena.

No acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa - que nesta quarta-feira rejeitou, por maioria, o recurso da defesa que contestava a especial complexidade do processo fixada pelo juiz Carlos Alexandre - fica claro que esse é mais um dos indícios que leva o procurador Rosário Teixeira a acreditar que parte do dinheiro que está nas contas de Santos Silva é na verdade de José Sócrates. Nos interrogatórios, o ex-líder do PS foi também confrontado com as suspeitas de “pagamentos de obras de arte para a sua casa” feitos pelo amigo: quadros de Júlio Pomar, Uber Lindau, Eduardo Batarda, Almada Negreiros, Jorge Martins e Silva Porto.

Apesar da complexidade dos circuitos financeiros, o Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP) suspeita que, das contas da Suíça, além dos 2,8 milhões de euros para comprar o apartamento de luxo em Paris, saiu ainda dinheiro para sustentar Sócrates e os que o rodeavam.

Leia este artigo na íntegra na edição em papel do SOL, já nas bancas

carlos.santos@sol.pt e felicia.cabrita@sol.pt