Internacional

Radovan Karadzic condenado a 40 anos de prisão

​O ex-líder sérvio-bósnio Radovan Karadzic, de 70 anos, foi ontem condenado pelo Tribunal Penal Internacional para a ex-Jugoslávia (TPI-J) a 40 anos de prisão pelo genocídio de Srebrenica em 1995 e ainda por crimes contra a humanidade em várias zonas da Bósnia entre 1992 e 1995.

O conhecimento da sentença chega mais de 20 anos depois do fim da guerra civil na Bósnia-Herzegovina.

O ex-líder foi indiciado por 11 acusações por genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra durante a guerra no país, que resultou na morte de mais de 100 mil pessoas e ainda 2,2 milhões de deslocados, considerado o maior massacre cometido no continente europeu desde a Segunda Guerra Mundial.

Segundo a acusação, o massacre fazia parte de um plano de limpeza étnica, idealizado não só por Karadzic mas também pelo general Ratko Mladic – também em julgamento – e pelo ex-presidente jugoslavo Slobodan Milosevic, que morreu de ataque cardíaco em 2006 antes da acusação.