arsenal

Arsenal. Até que ponto devemos confiar no "processo"?

Hugo Geada