Internacional

PM do Japão pede desculpa aos eleitores

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, pediu hoje desculpas publicamente pela escolha das duas ministras que pediram a demissão, dois meses após as suas nomeações para o governo nipónico. 


"Fui eu que as nomeei . Enquanto primeiro-ministro assumo a responsabilidade e peço as mais profundas desculpas", disse Shinzo Abe. 

A ministra da Indústria, primeira demissão tornada pública hoje, também pediu desculpas aos japoneses. "Apresento as minhas mais sinceras desculpas por não ter podido contribuir para a renovação económica, para a realização de uma sociedade onde as mulheres brilham", afirmou Yuko Obuchi. 

A demissionária titular da pasta da Indústria é suspeita de ter gastado mais de 10 milhões de ienes (mais de 74.000 euros) entre 2007 e 2012 em despesas não relacionadas com as suas actividades políticas, incluindo gastos em produtos de beleza.

Algumas horas mais tarde, a titular da pasta da Justiça, Midori Matsushima, de 58 anos, saía lívida do gabinete de Shinzo Abe. 

A ministra da Justiça demitiu-se por alegada violação da lei eleitoral, por alegadamente ter distribuído pequenos leques com o seu retrato e nome aos eleitores do seu círculo eleitoral. 

Um desses leques foi colocado à venda num 'site' de leilões, com o preço a atingir os 2.100 ienes (15,3 euros).

As saídas do governo de Obuchi, estrela em ascensão do Partido Liberal Democrata (PLD, no poder) e filha de um antigo primeiro-ministro, e de Matsushima, dois meses depois da sua nomeação, constituem as primeiras demissões de membros da equipa de Shinzo Abe em quase dois anos. 

Shinzo Abe assumiu o poder em Dezembro de 2012, colocando fim a uma série de governos frágeis que culminaram com a substituição de primeiros-ministros numa base anual.

Analistas citados pela AFP disseram que esta dupla demissão não significa necessariamente o fim do governo de Shinzo Abe, mas advertiram para a vulnerabilidade política do actual primeiro-ministro.

Lusa/SOL

Os comentários estão desactivados.