Sociedade

700 consultas adiadas em Baião por falta de médicos

O presidente da Câmara de Baião, José Luís Carneiro, disse hoje que em Janeiro e Fevereiro foram adiadas cerca de 700 consultas no centro de saúde local devido à falta de médicos, situação que já foi comunicada à tutela.

"Temos assistido nos últimos tempos à degradação das condições de acesso aos cuidados de saúde primários, o que é muito preocupante", afirmou o autarca à agência Lusa.

Segundo José Luís Carneiro, em 14 dias dos meses de Janeiro e Fevereiro houve 169 horas de faltas no Serviço de Atendimento Permanente de Baião.

A situação estará a ocorrer com mais frequência no horário entre as 19:00 e as 24:00.

Ao que se está a passar no centro de saúde da sede do concelho, segundo o autarca, "acresce a profunda indignação e apreensão com o actual estado de funcionamento da Unidade de Cuidados Personalizados, manifestada pela Junta de Freguesia de Santa Marinha do Zêzere".

O presidente da Câmara de Baião comunicou hoje a situação à Assembleia Municipal, tendo revelado envio de uma carta sobre o assunto ao secretário de Estado da Saúde, com conhecimento da Administração Regional de Saúde do Norte.

"Vimos, por este meio, manifestar a nossa preocupação com as duas situações enunciadas e solicitar a resolução das mesmas, tendo em conta que a ausência de serviços de saúde capazes e próximos das populações convidam as pessoas a abandonar o interior, desincentivam a criação de emprego e lançam a amargura e o sofrimento", lê-se no documento.

José Luís Carneiro acrescentou que a população de Baião, no interior do distrito do Porto, não aguenta mais a degradação dos serviços de saúde e, por isso, exige uma resposta rápida da tutela.

"Esta situação é inaceitável", frisou o autarca.

Lusa/SOL