Internacional

Quénia está preocupado com a fronteira com a Somália

Após o ataque de quinta-feira à Universidade de Garissa, que fez 147 mortos, o Quénia decidiu reforçar a segurança na região fronteiriça com a Somália, lê-se na Euronews. Isto porque, segundo o mesmo site, os rebeldes somalis do Al-Shabaab, que têm ligações à Al-Qaeda, estão na origem do ataque.

“Temos informações que Mandera [zona no norte do país que faz fronteira com a Somália e a Etiópia] está na lista dos alvos dos terroristas, durante o período da Páscoa, por isso aplicámos várias medidas para nos certificarmos que a nossa cidade está em segurança”, explicou um militar à Euronews.

O mesmo site dá conta do rapto de cinco pessoas com ligações ao atentado de Garissa. 

O ataque à Universidade fez também 100 feridos - muitos estão em estado crítico -, o que pode fazer aumentar o balanço de vítimas mortais.