Politica

Maçons em fuga da Loja Mozart

Grande parte dos maçons que integravam a loja Mozart 49, e que têm sido referidos na imprensa, saíram nos últimos tempos para outras lojas da mesma obediência, a Grande Loja Legal de Portugal. Muitas das saídas devem-se à discordância com a forma de funcionamento da Mozart e aos casos de repercussão pública em que esta surgiu envolvida – apurou o SOL junto de fontes da instituição.

neste momento, a loja resume-se aos 'irmãos' da ongoing (liderados por nuno vasconcelos) e a alguns elementos ligados às 'secretas' – como jorge silva carvalho, ex-director do serviço de informações estratégicas de defesa (sied), e joão paulo alfaro, ex-agente dos serviços secretos. ambos passaram, entretanto, a trabalhar também na ongoing.

a mozart 49 conta ainda com o coronel francisco rodrigues (director do departamento das secretas e ex-venerável da loja), luís montenegro (líder parlamentar do psd), francisco martins (chefe de gabinete do secretário de estado da presidência, marques guedes) e nuno manalvo (ex-chefe de gabinete de isaltino morais na câmara de oeiras).

as saídas da mozart – que caiu em desgraça por ser vista apenas como um local de tráfico de influência – têm sido muitas. sebastião herédia, por exemplo, cunhado de d. duarte e que iniciou nuno vasconcelos na maçonaria, está agora na loja abade correia da serra. trata-se de uma loja mais recente para onde saiu também luís carrilho (comandante da polícia em timor), armindo monteiro (vice-presidente da cip), o general francisco josé cordeiro (da indústria de desmilitarização e defesa) e paulo noguês, que a fundou.

catarina.guerreiro@sol.pt