Sociedade

Líder dos Diabos Vermelhos detido com pirotecnia

Um dos líderes dos Diabos Vermelhos foi detido na posse de várias dezenas de petardos no último jogo da Liga, a 23 de Maio. Segundo o SOL apurou, dias antes do jogo em que o Benfica defrontou o Marítimo, um oficial da PSP encontrou um saco com mais de uma dezena de artigos pirotécnicos numa casa de banho do estádio da Luz. Por isso, por precaução, a Polícia decidiu fazer uma inspecção-geral ao estádio, antes da partida.

Nesse dia, o líder da claque dos Diabos, Caetano – que tem antecedentes, nomeadamente por posse ilegal de armas – chegou ao recinto e não escapou à vistoria: no seu carro, os agentes encontraram 50 petardos, tochas e potes de fumo. Foi detido e, já na esquadra, chamou o seu braço-direito, Francisco. Sujeito a revista, também ele tinha material pirotécnico escondido no carro (algumas tochas) e acabou detido. 

Aos agentes da PSP, Caetano acabaria por confessar que o material era para ser usado dias depois, na final da Taça de Portugal, entre o Sporting e o Sp. Braga –  numa tentativa de retaliação contra os adeptos leoninos, que dizem ter-se infiltrado nos festejos do Benfica, no Marquês de Pombal, em Lisboa.

O que aconteceu na madrugada de 18 de Maio, no Marquês de Pombal, ainda está a ser investigado pela Inspecção-Geral da Administração Interna, que também abriu um inquérito à actuação da PSP nesse dia, em Guimarães, quando um oficial agrediu violentamente um adepto benfiquista à frente dos dois filhos menores. 

Engenhos escondidos até em caixotes do lixo 

Não é, contudo, a primeira vez que a PSP encontra artigos pirotécnicos em estádios. «Tudo serve para esconder, até caixotes do lixo», diz fonte policial.

Em Dezembro de 2013, numa vistoria inédita em colaboração com o Sporting, a PSP encontrou uma série de artigos escondidos na calha de electricidade de uma casa de banho do estádio de Alvalade, por trás da bancada da claque Juve Leo: 12 potes de fumo, oito petardos e oito tochas.

A Polícia também regista casos, embora raros, em que os artefactos entram com adeptos por portas onde não é feita revista e depois são transferidos, já no interior do estádio, para os sectores das claques.

Quando usados por pessoas sem formação e no meio da multidão, estes engenhos podem causar lesões graves: há adeptos que sofreram queimaduras graves e perderam até dedos e mãos. Este material deve ser usado por profissionais, em ambientes controlados e requer licença e medidas de manuseamento específicas.

Nota: Na notícia original foi dito que Caetano era líder dos No Name, mas na verdade é líder da claque dos Diabos Vermelhos. Pelo erro, pedimos a nossa desculpa.

sonia.graca@sol.pt